acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Manguinhos

Refinaria entra com pedido de recuperação judicial

22/01/2013 | 09h59

 

A refinaria Manguinhos divulgou na segunda-feira (21) que ingressou com pedido de recuperação judicial, com o objetivo de viabilizar o pagamento de passivo (despesa) causado pela desapropriação do imóvel onde está localizada, pela política de subsídios à gasolina, e pela alta dos insumos devido ao câmbio.
Segundo a companhia, um "plano consistente" de pagamento será apresentado aos credores nos próximos 60 dias, mostrando como a ela pretende equacionar suas dívidas e conservar suas atividades, onde atua há quase 60 anos.
Há poucos dias a empresa anunciou que seu controlador faria um aporte de cerca de R$ 55 milhões na tentativa de equalizar os danos.
O início da crise da refinaria se deu em outubro passado, quando o governo do estado do Rio de Janeiro publicou decreto de desapropriação do imóvel para construir na área um projeto habitacional para a população de baixa renda, com escola, postos de saúde, área de lazer e biblioteca.
“Nós vamos desapropriar a refinaria de Manguinhos. A Refinaria de Manguinhos há muito tempo não refina nada. Aquilo é simplesmente estocagem, muita estocagem de etanol. Há um trabalho de descontaminação da refinaria que nós iremos fazer junto com a prefeitura”, afirmou, à época, o governador Sergio Cabral.
O presidente da refinaria, Paulo Henrique Menezes, disse que foi surpreendido pela declaração de Cabral, uma vez que a refinaria tem operado com "volume expressivo". Em um relatório enviado à Comissão de Valores Mobiliários nesta segunda, a empresa informou que, nos últimos 12 meses, refinou 3,5 milhões de barris de petróleo. A companhia ressaltou que emprega mil trabalhadores diretamente.

A refinaria Manguinhos divulgou na segunda-feira (21) que ingressou com pedido de recuperação judicial, com o objetivo de viabilizar o pagamento de passivo (despesa) causado pela desapropriação do imóvel onde está localizada, pela política de subsídios à gasolina, e pela alta dos insumos devido ao câmbio.


Segundo a companhia, um "plano consistente" de pagamento será apresentado aos credores nos próximos 60 dias, mostrando como a ela pretende equacionar suas dívidas e conservar suas atividades, onde atua há quase 60 anos.


Há poucos dias a empresa anunciou que seu controlador faria um aporte de cerca de R$ 55 milhões na tentativa de equalizar os danos.


O início da crise da refinaria se deu em outubro passado, quando o governo do estado do Rio de Janeiro publicou decreto de desapropriação do imóvel para construir na área um projeto habitacional para a população de baixa renda, com escola, postos de saúde, área de lazer e biblioteca.


“Nós vamos desapropriar a refinaria de Manguinhos. A Refinaria de Manguinhos há muito tempo não refina nada. Aquilo é simplesmente estocagem, muita estocagem de etanol. Há um trabalho de descontaminação da refinaria que nós iremos fazer junto com a prefeitura”, afirmou, à época, o governador Sergio Cabral.


O presidente da refinaria, Paulo Henrique Menezes, disse que foi surpreendido pela declaração de Cabral, uma vez que a refinaria tem operado com "volume expressivo". Em um relatório enviado à Comissão de Valores Mobiliários nesta segunda, a empresa informou que, nos últimos 12 meses, refinou 3,5 milhões de barris de petróleo. A companhia ressaltou que emprega mil trabalhadores diretamente.

 



Fonte: G1
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar