acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Desinvestimento Petrobras

Quatro unidades em MS estariam em ´pacotão de vendas´ da Petrobras

12/02/2016 | 14h56

Quatro grandes empresas da Petrobras em Mato Grosso do Sul, podem entrar no pacote de unidades da companhia à venda. O gasoduto, parte da companhia de gás natural, uma termelétrica e a fábrica de fertilizantes incompleta, fazem parte do patrimônio da estatal no Estado.

Em julho do ano passado, a Petrobras informou em seu Plano de Negócios e Gestão 2015-2019, que durante iria priorizar projetos de exploração e produção de petróleo no Brasil, com ênfase no pré-sal. Hoje, fontes do jornal O Estado de São Paulo de dentro da estatal, informaram que as 21 térmicas, os terminais de gás e gasodutos estão à venda.

De acordo com a reportagem de jornal, a estatal pretende arrecadar US$ 57,7 bilhões (o equivalente a cerca de R$ 225 bilhões) para invadir em petróleo, para isso precisa vender parte de seus ativos. A Petrobras estaria mudando o foco, deixando de ser uma empresa de energia integrada, para investir no pré-sal, sua grande descoberta rentável.

As vendas de empresas da Petrobras ligadas a Mato Grosso do Sul já começaram. No fim do ano passado, 49% da Gaspetro foi vendida para a Mitsui, empresa privada do setor de gás natural. A MSGÁS (Companhia de Gás Natural de MS) é formada por 51% de ações do governo do Estado e 49% Gaspetro. Agora, desse percentual, 49% pertencem a Mitsui.

Há informações de que o restante da Gaspetro, 51% ainda pertencentes a Petrobras, também está sendo negociado pela Mitsui. A Abega (Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado) disse que não vai comentar o assunto.

O gasoduto Brasil - Bolívia, operado pela TBG e que transporta gás para todo o país, passando por 11 cidades de Mato Grosso do Sul, também estaria na lista de empresas à venda. Atualmente, a Petrobras detém 51% da TBG, enquanto o restante é distribuído por três Holdings.

Outra unidade da Petrobras no Estado é a usina termelétrica Luis Carlos Prestes, em Três Lagoas. Ela tem potência instalada de 386 MW e voltou a operar a todo vapor de 2012 para cá, quando a crise hídrica se agravou e ela foi religada utilizando gás natural.

Segundo os dados da própria Petrobras, a usina gerou 2.699 MW por dia em 2012. Esse número quase dobrou em 2013, quando passou a gerar 4.043 MW/dia e cresceu ainda mais em 2014, passando a 4.761 MW/dia. Os números de 2015 não foram divulgados.

 

O caso mais complicado entre os bens da estatal no Estado é a UFN 3 (Unidade de Fertilizantes Nitrogenados), também em Três Lagoas. A unidade começou a ser construída em 2011, seguiu entre polêmicas até 2014, quando o contrato com as empresas contratadas para executar a obra foi rescindido.

 

A obra foi paralisada com do projeto 82% concluído e avaliada em R$ 3 bilhões. Quando as empresas, Sinopec e Galvão Engenharia, tiveram o contrato rescindido, deixaram para trás dívida de R$ 36 milhões com fornecedores. O caso está na Justiça e sem solução até hoje, 14 meses após a obra ser interrompida.

 

Hás informações são de que a Petrobras busca um comprador para a unidade incompleta. Mas a fonte oficial afirma, desde 2014, que a estatal está atrás de parceiros para terminar de construir a fábrica.

 

A Petrobras foi procurada para falar sobre a venda das unidades, mas não se manifestou até o momento.

 



Fonte: Campo Grande News
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar