acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Dique-seco

Propostas de preços são abertas, mas resultado depende de conjunto de critérios

17/03/2006 | 00h00

As propostas de preços da licitação da Rio Bravo para a construção e administração do dique-seco para construção e reparos navais foram abertas nesta sexta-feira (17/03). O resultado sobre o vencedor da licitação, no entanto, só será divulgado após a análise dos documentos apresentados pelas concorrentes. Além do melhor preço de construção, o critério para a escolha da companhia construtora considera o percentual de participação da Rio Bravo no negócio e a isenção fiscal oferecida pelos estados onde o dique venha a ser construído.

O gerente de implementação de empreendimentos para a Transpetro, Alexandre Lugtenburg de Garcia, explica que o modelo de licitação adotado estipula que durante 10 anos a empresa Rio Bravo terá a posse do dique e gerenciará o arrendamento do dique. Após esse período a instalação passa a ser de propriedade da construtora. Devido esta conformação, quanto menor for o percentual de participação da Rio Bravo, menos ela poderá cobrar pelo arrendamento da instalação.

Por outro lado, as empresas construtoras também tendem a dar percentuais menores de participação uma vez que ao final dos 10 anos terá a posse do dique. "Claro que as empresas têm que oferecer percentuais porque precisam competir entre si. Elas terão mais chance quanto mais se comprometerem a investir", alega o diretor da Rio Bravo, Glauber da Cunha Santos.

Além destes quesitos, a oferta de isenção fiscal para a construção das plataformas no futuro também será avaliada para a decisão do vencedor da licitação. Os concorrentes são oriundos dos estados da Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

A principal cliente para o arrendamento do dique-seco é a Petrobras, que, inclusive, oferece uma área na Bahia, em São Roque, para a construção do dique. Segundo Garcia, a estatal espera ter a certeza da existência da instalação para passar a exigir em seus editais que a construção de plataformas seja realizada no Brasil.

Todos os concorrentes da licitação foram aprovados tecnicamente e as propostas de preços são:


Construções e Comércio Camargo Corrêa: R$ 204.653.775,81

Construtora Andrade Gutierrez: R$ 312.364.070,57

Construtora Norberto Odebrecht: R$ 313.606.013,70

Construtora OAS: R$540.394.303,90

Consórcio Mar do Sul (Construtora Queiroz Galvão e Estaleiro Aker Promar):

R$229.750.237,57

Renave: R$313.924.762,54

Estaleiro Rio Grande: R$196.116.263,54



Fonte:
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar