acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Reciclagem Inclusiva

Projeto da Gerdau aumenta produtividade de cooperativas de sucata

11/12/2014 | 16h13

Aumento de 339% no volume de sucata coletado e crescimento de 167% nos lucros entre 2007 e 2013. Esses são alguns dos resultados alcançados pelos catadores e cooperativas de sucata participantes do projeto Reciclagem Inclusiva, iniciativa da Gerdau que já capacitou mais de 1,2 mil recicladores no Brasil, Chile, Peru e Uruguai sobre temas relacionados à gestão empresarial e ambiental.

A ação teve início em 2007, com treinamentos-piloto em cidades no Brasil onde a Gerdau atua. O objetivo da Empresa era aumentar o volume e a qualidade da entrega de uma de suas principais matérias-primas: a sucata. A partir de 2011, uma parceria com a Agência Alemã de Desenvolvimento (GIZ) contribuiu para a expansão do Reciclagem Inclusiva para os demais países. No final de 2013, a ação tornou-se uma prática permanente na Empresa.

Desde então, além de viabilizar o crescimento econômico e a otimização da relação entre Gerdau e fornecedores, a ação tem promovido o desenvolvimento de profissionais recicladores. Exemplo disso é o grande número de cooperativas formalizadas. Se em 2011 a Gerdau comprava sucata de apenas nove organizações, em 2013 já eram 116. Outra contribuição do projeto são significativos benefícios ambientais. Nas cidades onde foi implementado, cerca de 1,6 mil toneladas de resíduos gerados pela sociedade anualmente passaram a ter destinação correta.

Esses resultados renderam à Gerdau uma premiação inédita da World Steel Association, o Steelie Awards na categoria Excelência em Sustentabilidade. O projeto também foi recentemente reconhecido pelo programa Benchmarking Brasil como uma das melhores práticas socioambientais do País.



Fonte: Redação / Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar