acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Etanol de milho

Produto já representa 60% do biocombustível vendido nos postos

20/02/2018 | 17h28

O mês de janeiro consolidou uma tendência irreversível no mercado de combustíveis no Brasil. Na segunda quinzena do mês passado, o etanol de milho supriu 60% do volume comercializado no Centro-Sul, principal região produtora do biocombustível no País. Assim, em plena entressafra da cana, período em que as usinas interrompem a produção, o elevado volume de etanol feito com milho que chegou ao mercado evitou o pico inflacionário previsto no final de 2017 devido à queda acentuada nas reservas brasileiras do álcool de cana.

Na safra atual, que começou em abril de 2017, a oferta de etanol de milho cresceu 130%, segundo projeções da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica). Em números absolutos, isso totalizou 391,85 milhões de litros.

Ainda assim, as quatro décadas de expertise brasileira na produção do etanol de cana garantem uma liderança tranquila para o álcool convencional, que reponde por 98,5% de todo o combustível produzido no País.

Porém, usinas flex, capazes de produzir o biocombustível com qualquer uma das duas matérias-primas, começam a ganhar espaço, especialmente no Mato Grosso, um gigante na produção do cereal.

Com isso, a expectativa é que em cinco anos, o etanol de milho dobre sua participação no mercado interno, ocupando especialmente as brechas deixadas pela cana no período de entressafra, no verão.

Com a alta no preço dos combustíveis observada ao longo de 2017, a expectativa é que as usinas privilegiem a produção de etanol em detrimento do açúcar na safra 2018/19 de cana, que começa a ser colhida em abril.

 

 



Fonte: Diário do Litoral, 20/02/2018
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar