acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petróleo

Produção do CE cai 7,6% no acumulado do ano

08/09/2011 | 17h33
O Ceará produziu menos petróleo nos sete primeiros meses deste ano. De janeiro a julho, foram retirados das jazidas do estado, em terra e mar, 1,51 milhão de barris de óleo, o que representa uma média de 7,1 mil barris por dia. Esse volume representa retração de 7,6% em relação a igual período do ano passado, segundo dados da Agência Nacional de Petróleo.

A produção no acumulado de sete meses divide-se entre 1,16 milhão de barris extraídos do mar, diminuição de 6,8% ante igual período do ano passado, e 352.374 barris de poços em terra, queda de 10,2%.

O ano já começou com resultados negativos, apontando uma queda de 29,1% em janeiro. Os volumes perdidos até conseguiram ser recuperados nos dois meses seguintes, mas os resultados de abril, maio e junho voltaram a por a produção para baixo. Somente no mês de junho, a redução foi de 26,6%, ou seja, foram produzidos 73,1 mil barris a menos.


Julho tem baixa

Apenas em julho último, foram 205.168 barris, a segunda menor produção mensal neste ano no estado. Destes, 155 mil barris vieram de plataformas de exploração no mar e 49,7 mil barris de poços em terra. A queda na produção de petróleo no Ceará se explica pelo natural envelhecimento das jazidas em exploração, e pouca intensidade na perfuração de novos poços de petróleo.

Neste segundo semestre, a Petrobras, única empresa a realizar exploração de petróleo no Ceará, tanto em mar quanto em terra, pretende abrir outros 12 poços na Fazenda Belém, entre Icapuí e Aracati.


Queda constante

Desde 2003, observa-se a queda na produção de petróleo no Ceará. Naquele ano, foram produzidos 5,4 milhões de barris, volume que, em redução gradual ao longo dos anos, chegou a 2,9 milhões em 2010. Neste intervalo, a produção em terra registrou altos e baixos nos seus resultados, enquanto que, em mar, só houve decréscimo, saindo de 4,4 mi para 2,2 milhões.

A queda da produção de petróleo reflete, diretamente, nos repasses de royalties aos estados e municípios beneficiários. O que é produzido em um mês gera compensações financeiras que serão entregues em dois meses, ou seja, a produção de junho vai gerar os royalties que serão repassados em agosto.


No país

A produção de petróleo da Petrobras no país atingiu o menor nível desde outubro do ano passado: 1,968 milhão de barris/dia em julho, o que representou queda de 3,8% frente ao mês anterior. Se comparado a julho de 2010, houve recuo de 1,84%.

Foi a primeira vez também, desde outubro, que a produção ficou abaixo de 2 milhões de barris/dia. Naquele mês, haviam sido extraídos 1,938 milhão de barris/dia.

A Petrobras atribuiu a retração a paradas programadas para manutenção em cinco plataformas. Fiscalizações da ANP, Ministério do Trabalho e Marinha interromperam atividade de algumas plataformas. "Coisas que não eram impeditivas, hoje, passam a ser. Não ter treinamento em trabalho em altura, não ter na plataforma certificado de treinamento de um profissional, assinatura ilegível na autorização, por exemplo", disse o presidente da estatal, José Sérgio Gabrielli.


Fonte: Jornal do Commercio
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar