acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Mercado

Produção de aço na China deve desacelerar em 2012

15/12/2011 | 12h13
O crescimento da produção de aço da China e as importações de minério de ferro pelo país devem desacelerar em 2012, conforme o maior produtor de aço do mundo aumenta controle sobre o setor imobiliário, colocando pressão sobre preços de produtos siderúrgicos, segundo pesquisa da Reuters.

Apesar do menor crescimento, a produção de aço e as importações de minério de ferro vão atingir níveis recordes em 2012, refletindo os esforços de Pequim nos investimentos em infraestrutura e moradia.

A produção de aço bruto deve subir 5,8%, para 728 milhões de toneladas em 2012, com o consumo subindo 4,6%, para 685 milhões, segundo mediana de estimativas obtida pela Reuters junto a 12 corretoras e consultorias da indústria.

Já as importações de minério de ferro vão desacelerar o crescimento para 6% em 2012, ante aumento projetado para este ano de quase 10%.

As previsões se comparam com uma produção anualizada de aço de 688 milhões de toneladas e demanda aparente de 655 milhões de toneladas em 2011, segundo dados até novembro.

O crescimento projetado é mais lento que a previsão de alta de 9,7% na produção deste ano, ante as 627 milhões de toneladas de 2010, enquanto a estimativa de crescimento na demanda aparente é de 9%, contra 600,5 milhões de toneladas do ano passado.

A construção responde por metade da demanda por aço da China e as autoridades continuam a controlar os preços de imóveis com medidas como regras de financiamento mais rígidas, limite a propriedade múltipla de residências e controle do acesso à terra pelas incorporadoras.

Analistas afirmam ser improvável que a demanda melhore fortemente, a menos que essas medidas sejam reduzidas.

O mercado imobiliário da China, que já foi favorito entre investidores, está agora passando por queda de preços, o que tem afetado a capacidade de alguns deles em pagar empréstimos.


Fonte: Agência Reuters
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar