acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petróleo

Produção da Petrobras no Brasil aumentou 4,2% em abril

31/05/2013 | 15h37
Produção da Petrobras no Brasil aumentou 4,2% em abril
P-54. Agência Petrobras P-54. Agência Petrobras

 

A produção de petróleo (óleo, mais Líquido de Gás Natural – LGN) da Petrobras no Brasil atingiu, em abril, a média de 1 milhão 924 mil barris por dia (bpd). Esse volume corresponde a um aumento de 4,2%, em relação a março. Incluída a parcela operada pela empresa para seus parceiros, a produção, no Brasil, foi de 1 milhão 982 mil bpd.
A produção total, considerada a de petróleo mais gás natural, produzida pela empresa nos campos nacionais em abril foi de 2 milhões 316 mil barris de óleo equivalente por dia (boepd), com um acréscimo de 3% em relação ao mês anterior. Incluída a parcela operada pela Petrobras para empresas parceiras, o volume total produzido foi de 2 milhões 400 mil boepd.
Somado à produção da empresa no exterior, o volume total de óleo mais gás natural produzido pela Petrobras atingiu, no mês, a média de 2 milhões 552 mil boepd, apresentando um aumento de 2,6% sobre a produção total de março.
O aumento da produção resultou, principalmente, do pleno retorno à operação das plataformas P-09, PCE-1 e P-54, na Bacia de Campos, que estavam em parada programada no mês anterior e do crescimento (ramp-up) do volume produzido pelo FPSO Cidade de Itajaí, no campo de Baúna, na Bacia de Santos. As paradas programadas mais relevantes no mês de abril ocorreram no FPSO Espírito Santo, no Parque das Conchas, operado pela Shell, e no FPSO Brasil no Campo de Roncador.
Vale destacar também a contribuição crescente das áreas do pré-sal que tem se somado aos resultados consolidados da produção. No dia 17 de abril a produção do pré-sal bateu novo recorde, chegando a 311 mil barris de petróleo. Além do recorde diário, a companhia atingiu, no pré-sal, recorde mensal de 293,8 mil bpd.
Produção de gás natural
A produção de gás natural - sem liquefeito - dos campos da companhia no Brasil alcançou 62 milhões 424 mil metros cúbicos por dia, volume 1 milhão 200 mil metros cúbicos abaixo do realizado em março. A produção total de gás no Brasil, incluída a parte operada pela empresa para seus parceiros, foi de 66 milhões 543 mil metros cúbicos por dia.
O decréscimo registrado na produção de gás natural decorreu da parada programada para manutenção da Unidade de Produção de Gás Natural Vandemir Ferreira, na Bahia, entre os dias 5 e 25 de abril. Essa unidade processa o gás do campo de Manati, em que a Petrobras tem 35% de participação, contra 65% dos seus parceiros.
Produção no exterior
A produção total de óleo e gás natural no exterior, em abril, foi de 236.323 boepd, correspondendo a uma redução de 1,3% em relação ao mês de março. Desse total, foram produzidos 146.771 barris diários de petróleo, com uma diminuição de 0,8% na comparação com o mês anterior.
A produção internacional de gás natural chegou a 15 milhões 215 mil metros cúbicos/dia, 2,1% abaixo do volume produzido em março.  A queda da produção decorreu, principalmente, da diminuição da demanda pelo gás boliviano.

A produção de petróleo (óleo, mais Líquido de Gás Natural – LGN) da Petrobras no Brasil atingiu, em abril, a média de 1 milhão 924 mil barris por dia (bpd). Esse volume corresponde a um aumento de 4,2%, em relação a março. Incluída a parcela operada pela empresa para seus parceiros, a produção, no Brasil, foi de 1 milhão 982 mil bpd.


A produção total, considerada a de petróleo mais gás natural, produzida pela empresa nos campos nacionais em abril foi de 2 milhões 316 mil barris de óleo equivalente por dia (boepd), com um acréscimo de 3% em relação ao mês anterior. Incluída a parcela operada pela Petrobras para empresas parceiras, o volume total produzido foi de 2 milhões 400 mil boepd.


Somado à produção da empresa no exterior, o volume total de óleo mais gás natural produzido pela Petrobras atingiu, no mês, a média de 2 milhões 552 mil boepd, apresentando um aumento de 2,6% sobre a produção total de março.


O aumento da produção resultou, principalmente, do pleno retorno à operação das plataformas P-09, PCE-1 e P-54, na Bacia de Campos, que estavam em parada programada no mês anterior e do crescimento (ramp-up) do volume produzido pelo FPSO Cidade de Itajaí, no campo de Baúna, na Bacia de Santos. As paradas programadas mais relevantes no mês de abril ocorreram no FPSO Espírito Santo, no Parque das Conchas, operado pela Shell, e no FPSO Brasil no Campo de Roncador.


Vale destacar também a contribuição crescente das áreas do pré-sal que tem se somado aos resultados consolidados da produção. No dia 17 de abril a produção do pré-sal bateu novo recorde, chegando a 311 mil barris de petróleo. Além do recorde diário, a companhia atingiu, no pré-sal, recorde mensal de 293,8 mil bpd.



Produção de gás natural


A produção de gás natural - sem liquefeito - dos campos da companhia no Brasil alcançou 62 milhões 424 mil metros cúbicos por dia, volume 1 milhão 200 mil metros cúbicos abaixo do realizado em março. A produção total de gás no Brasil, incluída a parte operada pela empresa para seus parceiros, foi de 66 milhões 543 mil metros cúbicos por dia.


O decréscimo registrado na produção de gás natural decorreu da parada programada para manutenção da Unidade de Produção de Gás Natural Vandemir Ferreira, na Bahia, entre os dias 5 e 25 de abril. Essa unidade processa o gás do campo de Manati, em que a Petrobras tem 35% de participação, contra 65% dos seus parceiros.



Produção no exterior


A produção total de óleo e gás natural no exterior, em abril, foi de 236.323 boepd, correspondendo a uma redução de 1,3% em relação ao mês de março. Desse total, foram produzidos 146.771 barris diários de petróleo, com uma diminuição de 0,8% na comparação com o mês anterior.


A produção internacional de gás natural chegou a 15 milhões 215 mil metros cúbicos/dia, 2,1% abaixo do volume produzido em março.  A queda da produção decorreu, principalmente, da diminuição da demanda pelo gás boliviano.



Fonte: Agência Petrobras
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar