acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Bacia de Santos

Primeiro carregamento de petróleo do campo de Mero na BS é concluído pela Shell

15/02/2018 | 14h28
Primeiro carregamento de petróleo do campo de Mero na BS é concluído pela Shell
Divulgação Divulgação

A Shell Brasil concluiu com sucesso na última quinta-feira, 8 de fevereiro, o primeiro processo carregamento de petróleo do campo de Mero, na área noroeste do bloco de Libra, na Bacia de Santos. Durante a operação, foram recebidos 236 mil barris de petróleo do navio-plataforma (FPSO) Pioneiro de Libra.

“Esta primeira operação de carregamento marca o início do retorno do nosso investimento de longo prazo em Libra e demonstra a força de nossa parceria estratégica com a Petrobras”, declarou o presidente da Shell Brasil, André Araujo “Na sequência do primeiro óleo, no ano passado, e do primeiro carregamento da Shell, concluído ontem, nós reconhecemos o valor das parcerias em Libra e o intenso intercâmbio de experiências globais em águas profundas,” acrescentou.

A Shell conduzirá a segunda operação de carregamento do óleo do Campo de Mero ainda em fevereiro, quando receberá um volume semelhante do navio-plataforma Pioneiro de Libra, que tem capacidade de processar até 50 mil barris por dia (bpd) de petróleo e 4 milhões de m³/dia de gás. A embarcação está instalada em lâmina d’água de 2.100 metros, a cerca de 180 km da costa do Rio de Janeiro, no pré-sal da bacia de Santos.

A produção no bloco de Libra teve início em 26 de novembro de 2017, com o início dos testes de longa duração. O consórcio declarou comercialidade da acumulação de petróleo do noroeste de Libra também em novembro do ano passado. Com isso, esta parte do bloco tornou-se oficialmente um campo e passou a se chamar Campo de Mero.

O consórcio de Libra é liderado pela Petrobras – com participação de 40% - em parceria com a Shell (20%); Total (20%); CNPC (10%) e CNOOC Limited (10%), tendo a Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA) como gestora do Contrato de Partilha da Produção.

Institucional



Fonte: Redação/Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar