acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Pessoas

Presidente de construtora do Bertin deixa o grupo

15/07/2011 | 09h34
Com um leque de grandes obras de infraestrutura sob sua batuta, entre elas o Rodoanel de São Paulo e a hidrelétrica de Belo Monte, a construtora do grupo Bertin está sofrendo uma baixa importante. O presidente da Contern, Antonio Kelson Elias, que esteve à frente de todos os projetos ambiciosos da empresa, deve deixar a companhia até o fim do mês. A empresa e o executivo não falaram sobre o assunto e o grupo Bertin só informou, por nota, que oficialmente o executivo continua à frente da empresa.


Pessoas ligadas aos envolvidos informaram que o executivo é que pediu para deixar o cargo. Isso teria acontecido por divergência na forma de condução dos negócios que os acionistas estariam impondo para a construtora. Ele chegou ao grupo egresso da Camargo Corrêa, onde era diretor internacional. No Bertin, Kelson foi um dos executivos que esteve à frente de todos os importantes leilões nos quais tiveram a participação. Atualmente ele é vice-presidente do conselho de administração de Belo Monte, ao lado do presidente Walter Cardeal. Kelson ocupa a vaga dedicada aos construtores que são acionistas da Norte Energia.

Sob sua batuta, a Contern conseguiu uma fatia de 10% nas obras de Belo Monte, apesar de seu tamanho e de não ter mão de obra para agregar ao projeto, segundo contam sócios no empreendimento. Para se ter uma comparação, grandes construtoras como Camargo Corrêa e Odebrecht não têm mais que 16% da obra, cada uma.


Foi também Kelson que ajudou a estruturar a participação do Bertin no leilão dos trechos sul Rodoanel. Foi ele o porta-voz da empresa quando se questionou a capacidade do Bertin de pagar a outorga de R$ 370 milhões ao governo de São Paulo. Na época, Kelson disse que a ideia da Bertin era vender parte da sociedade no Rodoanel e subcontratar empreiteiras para a execução da obra. E, logo em seguida, a outorga foi paga.


No ano passado, a construtora faturou R$ 740 milhões, que deve subir 30% neste ano. As térmicas do grupo também são de responsabilidade da Contern.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar