acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Mercado

Preço do petróleo fecha em queda

01/12/2004 | 00h00

Os preços do petróleo fecharam em queda nesta terça-feira (30/11), num dia de muita volatilidade. O tipo Brent, negociado em Londres, caiu 24 centavos de dólar, fechando em US$ 45,51. Em Nova York, o tipo WTI perdeu 63 centavos de dólar, fechando a US$ 49,13. Durante o dia, o petróleo chegou a passar dos US$ 50 nos Estados Unidos.
O preço do petróleo subiu no momento em que a Statoil, a maior empresa petrolífera da Noruega, disse não poder prever quando sua produção de 205 mil barris/dia - obtida em dois poços do Mar do Norte - será retomada após ter sido interrompida devido a um vazamento de gás.
"A Statoil suspendeu a produção de suas plataformas há dois dias, após um vazamento ter-se iniciado durante um procedimento de manutenção. É muito cedo para dizer quando as plataformas voltarão à atividade", disse Kristofer Hetland, porta-voz da empresa. Um relatório do Departamento de Energia dos Estados Unidos, que deve ser divulgado hoje, provavelmente indicará que os suprimentos de combustível destilado dos EUA, categoria que inclui o diesel e o óleo para calefação, aumentaram na semana passada, segundo uma pesquisa da Bloomberg.
"Ainda estamos preocupados com a produção do Mar do Norte", disse Jim Steel, vice-presidente do setor de pesquisa de commodities da Refco de Nova York. "Os investidores que apostam na alta dos preços estão atrás de qualquer desculpa para fazer a cotação ultrapassar os US$ 50 e isso parece ser suficiente."
A Gazprom, a maior produtora mundial de gás natural, fará uma oferta pela principal subsidiária de petróleo da Yukos no mês que vem e poderá adquirir outras produtoras russas para criar, no prazo de seis anos, uma empresa petrolífera que rivalizará com a Exxon Mobil.
A produção de petróleo da empresa mais do que dobraria, passando para 1,8 milhões de barris por dia no ano que vem se a estatal vencer a disputa. O leilão está marcado para o dia 19 deste mês.



Fonte: Valor Econômico/ag.
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar