acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Finanças

Preço do petróleo em alta garante lucro da Petrobras na Argentina

09/05/2006 | 00h00

A Petrobras Energia, filial argentina da estatal brasileira, registrou no primeiro trimestre deste ano um resultado 145% superior ao do mesmo período do ano passado. O lucro líquido da companhia foi de 365 milhões de pesos (US$ 120 milhões), contra os 149 milhões de pesos que haviam sido obtidos no primeiro trimestre de 2005.

O desempenho da empresa foi melhor do que o esperado. Em consequência disso, a ação da companhia na Bolsa de Buenos Aires foi o papel do mercado argentino com melhor desempenho, e fechou o dia com alta de 3%.

"O balanço superou as expectativas do mercado e mostra uma recuperação dentro de uma situação difícil", disse o analista Rafael Ber, da consultoria Argentine Research. Segundo o analista, a cifra de lucro trimestral esperada pelos operadores oscilava entre 250 milhões e 270 milhões de pesos.

Em comunicado, a companhia atribuiu o resultado aos altos preços do petróleo no período. O valor das vendas no trimestre teve um crescimento de 16,7%, "impulsionadas principalmente por um incremento significativo do petróleo, do preço do gás, da eletricidade e dos produtos refinados não alcançados pela política de controle inflacionário" do governo.

Ber afirmou que é justamente a política do governo argentino, que cobra um imposto de exportações sobre petróleo e derivados que chega a 45% e mantém os preços dos combustíveis no mercado interno controlados, o principal fator que causa incerteza sobre o desempenho futuro da companhia.

Os contratos de petróleo encerraram em baixa ontem, depois de a carta do presidente do Irã ao presidente americano, George W. Bush, aumentar as expectativas dos operadores de uma solução para o impasse sobre o programa nuclear de Teerã. Os analistas, no entanto, afirmaram ser improvável que o Irã ofereça encerrar a produção de combustível nuclear.

Em Nova York, os contratos de petróleo do tipo WTI com entrega em junho caíram 42 centavos de dólar, encerrando a US$ 69,77 o barril. Em Londres, o tipo Brent recuou 74 centavos de dólar, fechando a US$ 70,21 por barril.

"O mercado recuou por conta da expectativa de que a carta possa arrefecer alguma tensão", disse o analista Phil Flynn, do Alaron Trading em Chicago. Um porta-voz do governo iraniano disse que a carta do presidente Mahmoud Ahmadinejad abordava a disputa nuclear, mas se recusou a dizer se mencionava a possibilidade de negociações diretas com os EUA.

Para os analistas, há poucas chances de Ahmadinejad sugerir que o Irã pararia de fabricar combustível nuclear, uma atitude exigida pelas Nações Unidas e considerada por diplomatas ocidentais como a única forma de debelar a crise atômica.

Os EUA lideraram ações internacionais contra o plano nuclear iraniano, do qual Washington suspeita ter como objetivo a construção de armas atômicas. O Irã diz que precisa de combustível nuclear com propósitos civis. Operadores temem que a disputa possa levar a uma interrupção nas exportações de petróleo do Irã, mesmo com os estoques de petróleo americanos estando nos maiores níveis em oito anos.

Analistas de uma pesquisa preliminar da Reuters anteciparam que os estoques de petróleo caíram em 400 mil barris na semana passada, enquanto os de gasolina aumentaram 1,5 milhão de barris devido à maior atividade nas refinarias. A Administração de Informação de Energia dos EUA divulgará a pesquisa oficial amanhã.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar