acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Indústria Naval

Pré-sal alimentará escalas de encomendas dos estaleiros brasileiros

23/01/2014 | 16h22
Pré-sal alimentará escalas de encomendas dos estaleiros brasileiros
Estaleiro BrasFELS. Divulgação Sete Brasil Estaleiro BrasFELS. Divulgação Sete Brasil

 

As demandas do pré-sal alimentarão as escalas de encomendas dos estaleiros brasileiros. A afirmação foi feita pelo presidente da Sete Brasil, João Carlos Ferraz, durante a coletiva de imprensa que apresentou a recém chegada parte inferior do casco da sonda semissubmersível Urca, que chegou em Angra dos Reis na terça-feira (21).
"A indústria naval vai além da construção de estaleiros. É necessário haver demanda para todas as indústrias que atuam conjuntamente com esses estaleiros. O que nós queremos deixar como legado para o Brasil após a construção das 29 sondas é a capaciade de gerar escala, produtividade, qualidade... Um círculo virtuoso que alimentará o mercado nos anos seguintes", afirmou Ferraz.
Ao todo a Sete Brasil contratou cinco estaleiros (EAS, BrasFELS, Rio Grande, Enseada do Paraguaçu e Jorong Aracruz) para a construção das 29 sondas - seis semissubmersíveis e 23 navios sonda -, gerando mais de 180 mil empregos entre a fase de construção dos demais estaleiros, das sondas e também da operação das mesmas. No total, serão investidos US$ 25 bilhões na construção das sondas, sendo US$ 6,4 bilhões de capital próprio e US$ 19,2 bilhões em dívida de longo prazo.
Para Ferraz, o cronograma de construção segue à frente da programação. Segundo ele, no fim de novembro, a porcentagem de realização chegou a 13%, sendo que a previsão era de 12,8%.
Entre os principais financiadores da Sete Brasil estão o Fundo de Marinha Mercante (FMM), BNDES e agências internacionais de crédito à exportação (ECAs) dos países de fornecedores de peças e equipamentos para o projeto.
Investimento do BrasFELS é de R$ 300 milhões
No período de 2013 a 2016, o estaleiro BrasFELS, localizado em Angra dos Reis (RJ), receberá investimento de cerca de R$ 300 milhões, que serão investidos em obras de expansão e aperfeiçoamento das instalações. A afirmação foi feita pelo diretor comercial da controladora Keppel Fels Brasil, Gilberto Israel. Segundo o executivo, as melhorias darão suporte ao número crescente de encomendas.
Além da Urca, o Brasfels construirá mais cinco sondas semissubmersíveis encomendadas pela Sete Brasil e seus sócios-operadores Queiroz Galvão Óleo e Gás (QGOG), Odebrecht Óleo e Gás e Petroserv, são elas: Frade, Portogalo, Mangaratiba, Bracuí e Botinas.
O Brasfels tem hoje em construção: o FPSO Cidade de Mangaratiba, com entrega prevista para meados desse ano; e os replicantes P-66 e P-69. O pico de obras acontecerá no início de 2016, quando o estaleiro terá quatro sondas sendo construídas.

As demandas do pré-sal alimentarão as escalas de encomendas dos estaleiros brasileiros. A afirmação foi feita pelo presidente da Sete Brasil, João Carlos Ferraz, durante a coletiva de imprensa que apresentou a recém chegada parte inferior do casco da sonda semissubmersível Urca, que chegou em Angra dos Reis na terça-feira (21).

"A indústria naval vai além da construção de estaleiros. É necessário haver demanda para todas as indústrias que atuam conjuntamente com esses estaleiros. O que nós queremos deixar como legado para o Brasil após a construção das 29 sondas de perfuração em águas ultraprofundas é a capaciade de gerar escala, produtividade, qualidade... Um círculo virtuoso que alimentará o mercado nos anos seguintes", afirmou Ferraz.

Ao todo a Sete Brasil contratou cinco estaleiros (EAS, BrasFELS, Rio Grande, Enseada do Paraguaçu e Jorong Aracruz) para a construção das 29 sondas - seis semissubmersíveis e 23 navios sonda -, gerando mais de 180 mil empregos entre a fase de construção dos demais estaleiros, das sondas e também da operação das mesmas. No total, serão investidos US$ 25 bilhões na construção das sondas, sendo US$ 6,4 bilhões de capital próprio e US$ 19,2 bilhões em dívida de longo prazo.

Para Ferraz, o cronograma de construção segue à frente da programação. Segundo ele, no fim de novembro, a porcentagem de realização chegou a 13%, sendo que a previsão era de 12,8%.

Entre os principais financiadores da Sete Brasil estão o Fundo de Marinha Mercante (FMM), BNDES e agências internacionais de crédito à exportação (ECAs) dos países de fornecedores de peças e equipamentos para o projeto.


Investimento do BrasFELS é de R$ 300 milhões

No período de 2013 a 2016, o estaleiro BrasFELS, localizado em Angra dos Reis (RJ), receberá investimento de cerca de R$ 300 milhões, que serão investidos em obras de expansão e aperfeiçoamento das instalações. A afirmação foi feita pelo diretor comercial da controladora Keppel Fels Brasil, Gilberto Israel. Segundo o executivo, as melhorias darão suporte ao número crescente de encomendas.

Além da Urca, o Brasfels construirá mais cinco sondas semissubmersíveis encomendadas pela Sete Brasil e seus sócios-operadores Queiroz Galvão Óleo e Gás (QGOG), Odebrecht Óleo e Gás e Petroserv, são elas: Frade, Portogalo, Mangaratiba, Bracuí e Botinas.

O Brasfels tem hoje em construção: o FPSO Cidade de Mangaratiba, com entrega prevista para meados desse ano; e os replicantes P-66 e P-69. O pico de obras acontecerá no início de 2016, quando o estaleiro terá quatro sondas sendo construídas.

 

Casco da primeira sonda da Sete Brasil já está no RJ



Fonte: Revista TN Petróleo, Redação
Autor: Karolyna Gomes
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar