acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petroquímica

PQU e Petrobras assinam contrato de fornecimento de gás residual

14/01/2005 | 00h00

A Petrobras e a Petroquímica União assinam nesta sexta-feira (14/01) um acordo de fornecimento de de 1,2 milhão de metros cúbicos/dia de gás residual de refinaria, o que viabiliza o projeto de ampliação de capacidade produtiva da PQU em 320 mil toneladas anuais de produtos petroquímicos, dos quais 200 mil toneladas são de eteno.
Segundo Wilson Matsumoto, diretor-superintendente da PQU, as bases da negociação asseguram à central o fornecimento, matéria-prima vinda da Refinaria do Vale do Paraíba (Revap) e da Refinaria de Capuava (Recap), que será suficiente para a ampliação de cerca de 130 mil toneladas/ano de eteno. Ambas as refinarias não dispõem de insumo suficiente para suprir as necessidades da PQU. Portanto, as 70 mil toneladas restantes deverão ser geradas por meio de cargas líquidas.
Com investimento de US$ 175 milhões, a implantação do projeto demandará cerca de 30 meses. O cronograma prevê o início das operações para meados de 2007. No momento, a empresa está finalizando a etapa de engenharia básica e iniciando o processo de licenciamento ambiental.

Inovação - O projeto da Unidade de Processamento de Gás de Refinaria, feito pela PQU em parceria com o Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras, Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), demonstra que é possível aumentar a capacidade, a partir da própria unidade existente, cuja matéria-prima básica é a nafta.
Está prevista a construção de uma unidade para tratamento (remoção dos contaminantes dos gases), um novo forno e alteração de alguns equipamentos (compressor de gás de cargas e torres de destilação).
O projeto ainda define a construção de um gasoduto de 106 km, ligando a Revap à central e, para tanto, a PQU usará a faixa de servidão da Petrobras. Também serão necessários investimentos na Revap para a construção de um sistema de bombeamento e pré-tratamento do gás de refinaria.
Subproduto do processo catalítico de frações pesadas do petróleo, o gás de refinaria é usado, atualmente, na geração de energia pela Petrobras. O insumo pode ser aplicado em petroquímica com melhor uso econômico do que na geração de energia.
Em nota enviada pela PQU, Wilson Matsumoto ressalta que este projeto apresenta ganhos em termos ambientais. Em face do fornecimento do gás de refinaria à PQU, a Petrobras irá repor este insumo, através da aquisição diária de 1,1 milhão de metros cúbicos de gás natural, que reduz substancialmente o nível de emissões atmosféricas, elevando a participação desse insumo na matriz energética nacional. 
Já na PQU, a parcela do gás residual, não aproveitado para a produção de petroquímicos, é limpo, pois recebe tratamento para eliminação de contaminantes.
A expansão da PQU - que permitirá a ampliação da capacidade de derivados do eteno em pelo menos 200 mil t/ano -, potencializará a contribuição do Pólo Petroquímico para o desenvolvimento econômico e social do Grande ABC, ao gerar cerca de R$ 60 milhões adicionais de impostos. Estima-se a criação de cerca de 3 mil novos empregos durante a obra e até 11 a 14 mil novos postos de trabalho, caso se consiga atrair para a região a indústria de transformação de plásticos.
Por sua vez, a vizinha Refinaria de Capuava terá disponível o hidrogênio, em quantidade e qualidade adequadas. Trata-se de um importante insumo das modernas operações de refino, usado na produção de combustíveis mais limpos, com baixíssimo teor de enxofre. O gás residual, não aproveitado como matéria-prima pela PQU, deverá suprir uma unidade de cogeração. Há inclusive um projeto, já com licença prévia de instalação, da Rolls Royce, que tem investimentos estimados de R$ 700 milhões.
O projeto de Processamento de Gás de Refinaria ficou com o segundo lugar, na categoria Processo, do Prêmio Inovação Tecnológica 2003, Região Sudeste, promovido pela Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP).
Um dos motivos do sucesso do projeto foi justamente o trabalho conjunto dos técnicos da Petrobras e da PQU. Também colaboraram ativamente os técnicos da Sud-Chemie, empresa líder mundial na fabricação de catalisadores de hidrogenação.



Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar