acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Tecnolgia

Portal do Sistema Sismológico Nacional entra no ar oficialmente

28/11/2014 | 17h11
Portal do Sistema Sismológico Nacional entra no ar oficialmente
Portal do Sistema Sismológico Nacional entra no ar oficialmente Portal do Sistema Sismológico Nacional entra no ar oficialmente

O protótipo do Serviço Sismológico Nacional entrou hoje no ar oficialmente. , comemorando também os 30 anos da sismologia moderna no Brasil. A solenidade ocorrerá no Instituto de Astrologia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (USP). O lançamento do portal marca a entrada em operação da Rede Sismográfica Brasileira (RSBR), que reúne pesquisadores do Observatório Nacional, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), da Universidade de Brasília (UnB) e da USP.

O portal foi desenvolvido e é gerenciado pelo Observatório Nacional, responsável pela implantação da Rede Sismográfica do Sul e do Sudeste (Rsis). Falando ontem (27) à Agência Brasil, o geofísico Sergio Fontes, coordenador da Rsis, ressaltou que o protótipo é uma iniciativa que representa o esforço das quatro instituições, que instalaram 80 estações sismográficas no país.
Essas estações  transmitem dados em tempo real para o portal www.rsbr.gov.br, que já está em operação. “Isso é bom porque o Brasil, apesar de não ser um país sísmico, pode registrar sismos de magnitude 6 ou acima de 6 [graus na escala Richter]. E isso pode causar danos se ocorrer em regiões habitadas.”

Sergio Fontes observou que o comum, no Brasil, é que haja sismos de magnitude entre 4 e 5 graus. Ele explicou que o padrão de atividade sísmica brasileiro sugere a ocorrência de sismos acima de magnitude 6 graus no intervalo de 50 anos. O último foi registrado em 1955, em Mato Grosso. “Já passou de 50 anos”, comentou, rindo.
Fontes destacou a importância do Serviço Sismológico, porque amplia a participação do Brasil na rede sismográfica mundial, que conta com mais de 6 mil estações. “Além da ocorrência de um sismo de magnitude maior, esses dados  fornecem informações bastante preciosas sobre a estrutura do interior da terra, que são muito valiosas para que se conheça a evolução do planeta, para os recursos naturais. Eu acho que é um avanço que o Brasil está fazendo.”

A implantação de todas as sub-redes teve apoio da Petrobras, com recursos que alcançam cerca de R$ 25 milhões. Com a redução dos patrocínios pela estatal, os pesquisadores da RSBR terão de buscar novos investidores, a  partir do próximo ano. Sergio Fontes estimou que seriam necessários em torno de R$ 1,5 milhão por ano para manter cada uma das quatro sub-redes (Sul/Sudeste, Centro/Sul, Centro/Norte e Nordeste). “Para que os mais de cinco anos de esforço de implantação dessa rede se mantenham”, reiterou.
Somente a Rsis tem hoje 17 estações em funcionamento, e deve chegar a 19 até o final deste ano. Os pesquisadores estão, no momento, instalando estações em ilhas. A primeira foi montada na Ilha da Trindade, no Espírito Santo. Eles querem instalar agora em Abrolhos, na Bahia, em Fernando de Noronha, Pernambuco.



Fonte: Redação com Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar