acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
ES

Polo gás-químico leva investimento de R$ 3 bi para o Norte

26/07/2010 | 10h12
Depois de pleitear uma fábrica de fertilizantes, o Espírito Santo acabou ganhando um projeto ainda maior da Petrobras. Será instalado em Linhares um polo gás-químico, próximo à Unidade de Tratamento de gás de Cacimbas (UTGC). Para o Norte do Estado e para o Espírito Santo como um todo, o projeto é de extrema importância.

Além de receber um investimento de R$ 3 bilhões, ele vai atrair muitas empresas satélites e empregar muita gente - tanto na obra quanto na operação. Estima-se 3 mil na obra e 9 mil na operação, entre vagas diretas e indiretas.

O projeto faz parte do programa do governo federal de aumentar a produção de fertilizantes no país. O investimento no Espírito Santo, que está em fase de projeto e cuja obra deverá começar no segundo semestre de 2011, faz parte de um total de US$ 5,7 bilhões (R$ 9,6 bilhões) que a Petrobras investirá em outras duas fábricas novas de fertilizantes - em Minas Gerais (Uberaba) e Mato Grosso do Sul (Três Lagoas) - e na ampliação da unidade de Sergipe. O polo de Linhares faz parte dos projetos que deverão entrar em operação até 2014.

A previsão é que sejam gastos 36 meses para a construção do polo em Linhares, com o emprego de pelo menos três mil trabalhadores. Na fase de operação, segundo especialistas, este tipo de empreendimento utiliza mais mão de obra do que na implantação.

Este é um dos grandes benefícios deste tipo de projeto para a região de Linhares, na avaliação de técnicos e do secretário estadual de Desenvolvimento, Márcio Félix Bezerra. "São muitas empresas que poderão se instalar na região em função do polo e que contratarão mão de obra no Estado, inclusive, os formados na Universidade Federal que tem curso de Química", anima-se Márcio Félix.

Fertilizantes

Segundo o engenheiro químico José Brito Oliveira, o Brasil hoje importa 60% do total de fertilizante nitrogenado, que utiliza na lavoura. "Se acontecer algum problema ou acidente numa fábrica da Rússia ou do Catar, o fornecimento desse tipo de fertilizante para o Brasil ficará seriamente comprometido. Não podemos correr este risco".

As descobertas recentes de campos de gás na costa brasileira estão garantindo o aumento na produção. Esse é o caso do Espírito Santo que, nos últimos dois anos passou de uma produção de 1,2 milhão de m3 de gás por dia para 6 milhões de m3 por dia. A perspectiva é que a produção do Estado chegue a 18 milhões de m3 por dia no final de 2010.

Brito avalia que a localização geográfica do Espírito Santo e a infraestrutura portuária colaboram para o sucesso de um polo gás-químico no Norte. A partir da amônia, segundo o engenheiro Brito, pode-se produzir ureia, ácido nítrico, além de fosfato, nitrato e sulfato de amônia que são usados na fabricação de fertilizantes mais complexos. A Petrobras ainda não definiu exatamente quais as matérias primas serão produzidas no polo de Linhares. Esses detalhes serão acertados nos estudos que estão serão feitos nos próximos meses.


Fonte: Gazeta Vitória (ES)
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar