acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petroquímica

Pólo da fronteira com a Bolívia atrai sócios

20/02/2006 | 00h00

Com a retomada das negociações entre a Petrobras e o governo boliviano a respeito de investimentos no país andino, as empresas do setor também reacendem suas expectativas sobre as possibilidades de negócios. O investimento do pólo gás-químico da fronteira, por exemplo, é um dos que está em estudos pela estatal brasileira, a Braskem e a Repsol. A petroleira espanhola, segundo fontes do mercado, continua avaliando o projeto e participa dos estudos desde o início, desde sua proposição.

Segundo a mesma fonte, o posicionamento da matriz Repsol, na Espanha, não deverá interferir nas negociações da subsidiária brasileira em relação ao projeto do pólo gás-químico, sobre o qual ainda não há definições sobre particpações.

O investimento na fronteira, segundo avaliação da presidente da Petroquisa, Maria das Graças Foster, seria de cerca de US$ 1,2 bilhão e  poderá envolver sócios privados brasileiros e bolivianos, além das estatais dos dois países, a Petrobras e a YPFB.

O pólo gás químico da fronteira será destinado à produção de polietileno, matéria-prima para a indústria de plásticos.



Fonte:
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar