acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Qualificação

Politécnica da USP planeja graduação em engenharia nuclear

05/09/2012 | 10h48

 

A Escola Politécnica (Poli) da Universidade de São Paulo (USP) está preparando um curso de engenharia nuclear, que será realizado em parceria com o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) e a Marinha do Brasil.
De acordo com a instituição, não há uma data definida para abertura do novo curso ou de sua inclusão no vestibular da Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest).
Entretanto, já se sabe que, de início, serão oferecidas 60 vagas e o curso será realizado em Iperó, no interior de São Paulo, onde está localizado o Centro Experimental de Aramar (CEA), da Marinha, que doou uma parte de seu terreno para a construção das instalações.
Na mesma região, onde é desenvolvida parte do programa nuclear brasileiro, o Ipen constrói o Reator Multipropósito Brasileiro (RMB).
A infraestrutura do curso está sendo projetada, e estima-se que em 2013 as obras sejam iniciadas.
A grade do curso está sendo elaborada, mas já foram definidas as diretrizes do tipo de profissional que o curso formará. “Não vamos ensinar nossos alunos a fazer usinas, embora eles sejam capazes disso”, disse José Roberto Castilho Piqueira, vice-diretor da Poli.
O curso será baseado em três pilares: o primeiro, da mineração e materiais, mostrará os processos de enriquecimento de urânio e outros elementos. O segundo é a parte de informática, já que a engenharia nuclear requer uma engenharia computacional bastante sofisticada para se desenvolver. Por último, a parte mais evidente, que é a energética. Além disso, os primeiros anos reservam um ciclo básico de cálculo, física e química comum aos outros estudantes da Poli.
“Estamos conversando com professores da Poli, pesquisadores do Ipen e especialistas da Marinha sobre a melhor forma de habilitarmos nossos alunos. O processo ainda está sendo discutido”, afirmou Piqueira.

A Escola Politécnica (Poli) da Universidade de São Paulo (USP) está preparando um curso de engenharia nuclear, que será realizado em parceria com o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) e a Marinha do Brasil.


De acordo com a instituição, não há uma data definida para abertura do novo curso ou de sua inclusão no vestibular da Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest).


Entretanto, já se sabe que, de início, serão oferecidas 60 vagas e o curso será realizado em Iperó, no interior de São Paulo, onde está localizado o Centro Experimental de Aramar (CEA), da Marinha, que doou uma parte de seu terreno para a construção das instalações.


Na mesma região, onde é desenvolvida parte do programa nuclear brasileiro, o Ipen constrói o Reator Multipropósito Brasileiro (RMB).


A infraestrutura do curso está sendo projetada, e estima-se que em 2013 as obras sejam iniciadas.


A grade do curso está sendo elaborada, mas já foram definidas as diretrizes do tipo de profissional que o curso formará. “Não vamos ensinar nossos alunos a fazer usinas, embora eles sejam capazes disso”, disse José Roberto Castilho Piqueira, vice-diretor da Poli.


O curso será baseado em três pilares: o primeiro, da mineração e materiais, mostrará os processos de enriquecimento de urânio e outros elementos. O segundo é a parte de informática, já que a engenharia nuclear requer uma engenharia computacional bastante sofisticada para se desenvolver. Por último, a parte mais evidente, que é a energética. Além disso, os primeiros anos reservam um ciclo básico de cálculo, física e química comum aos outros estudantes da Poli.


“Estamos conversando com professores da Poli, pesquisadores do Ipen e especialistas da Marinha sobre a melhor forma de habilitarmos nossos alunos. O processo ainda está sendo discutido”, afirmou Piqueira.

 



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar