acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
P-55

Plataforma deverá gerar 3,5 mil empregos em Rio Grande

05/12/2008 | 03h38

A construção da plataforma P-55 deverá ter conteúdo nacional mínimo de 70% e gerar mais de 3,5 mil empregos diretos, somente em Rio Grande. A informação foi dada pela Petrobras ao divulgar a assinatura de contrato de construção do convés, de dois módulos e integração do casco com os módulos de processo. O contrato, no valor de US$ 857 milhões, foi assinado pela Companhia na última segunda-feira, na área de Engenharia da Petrobras, no Rio de Janeiro, com o Consórcio Top 55, formado por acionistas da Quip S/A (Construtora Queiroz Galvão, UTC Engenharia S.A e Iesa Óleo e Gás S.A), que fez a P-53 em Rio Grande.

 

Essa etapa da execução da plataforma P-55, que é do tipo semi-submersível, será realizada na área do dique seco, que está sendo construído pelo Estaleiro Rio Grande no Superporto rio-grandino. A fabricação dos componentes para montagem do casco foi iniciada em agosto, em Suape, Pernambuco, no Estaleiro Atlântico Sul. Esses componentes virão para o dique seco, onde será feita a montagem do casco. Em 21 de novembro deste ano, foram assinados com a empresa UTC Engenharia os contratos para construção do módulo de Compressão Booster e Desidratação de Gás e do módulo de Amina, no valor aproximado de US$ 54 milhões e US$ 60 milhões, respectivamente.

 

Os outros contratos foram assinados com a empresa Iesa, em 27 de outubro deste ano, para construção do módulo de Redução de Sulfato, no valor de US$ 62 milhões, e do módulo de Compressão de Gás, no valor de US$ 95 milhões. Esses dois módulos também serão realizados em Rio Grande. O valor total para a construção da P-55 será de aproximadamente US$ 1,65 bilhão. O início de operação desta plataforma está previsto para 2011, no campo gigante de Roncador, a 125 quilômetros do Cabo de São Tomé, na Bacia de Campos. Ela será ancorada em um local com profundidade de 1.795 metros e trabalhará com 11 poços produtores de petróleo e gás e sete injetores de água.

 

Terá capacidade para produção diária de 180 mil barris de petróleo e de compressão de 6 milhões de metros cúbicos/dia de gás.



Fonte: Jornal Agora - RS
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar