acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
GNL

Planta de liqüefação na Venezuela seria alternativa à Gasoduto do Sul

04/09/2006 | 00h00

O secretário estadual de Energia, Indústria Naval e do Petróleo, Wagner Victer, defende o uso do Gás Natural Liqüefeito (GNL) como alternativa de integração energética para a América Latina.

Durante o Seminário sobre as Perspectivas do GNL no Brasil, promovido pelo IQPC e realizado nesta segunda-feira (04/09), no Rio de Janeiro, o secretário apresentou a alternativa de instalação de uma planta de liqüefação de gás natural no litoral venezuelano com o objetivo de trazer GNL para as unidades de regaseificação já previstas para serem instaladas no Ceará e no Rio de Janeiro.

A proposta substituiria o Gasoduto do Sul, caracterizado por Victer como inviável do ponto de vista econômico e ambiental. Para o secretário, a construção do gasoduto teria o efeito de multiplicar os problemas hoje enfrentados com a Bolívia em função do fornecimento do gás. "Com o GNL, não há essa relação umbilical e o gás pode ser adquirido a partir de qualquer fornecedor", argumenta.

Embora reconheça as atuais dificuldades relativas aos contratos de gás natural com a Bolívia, o secretário ainda defende o país andino como fonte prioritária de gás natural para o Brasil. "Se o Brasil negar à Bolívia o seu mercado de gás, estará forçando o país andino a se integrar ao projeto de Camisea no Peru e enviar gás para o México e Califórnia na forma GNL", atesta.



Fonte:
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar