acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petróleo

PF investiga negligência após vazamento em Frade

17/11/2011 | 15h15
A PF (Polícia Federal) abriu inquérito para investigar crime de poluição no caso de vazamento próximo à plataforma de Frade, na bacia de Campos (RJ), operada pela empresa norte-americana Chevron.
 
O vazamento foi identificado no dia 7 e, dois dias depois, as operações de perfuração na região foram suspensas. A área afetada, segundo a empresa, chega a 163 quilômetros quadrados, com vazão estimada em 330 barris por dia.

Ambientalistas contestam esse dado. Diretor do site SkyTruth, especializado em interpretação de fotos de satélites com fins ambientais, o geógrafo John Amos estima que o derrame pode chegar a 3.738 barris por dia.

Policiais estiveram no campo de Frade e constataram que o combate ao vazamento não vem sendo feito da forma como comunicado.

A Chevron informou à PF que 18 embarcações cuidam da limpeza na região. Em sobrevoo realizado no início da tarde da terça-feira (15), os agentes federais encontraram apenas uma embarcação cuidando da limpeza.

Segundo o delegado Fábio Scliar, da Delegacia de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico, há informações distintas apresentadas pela empresa à PF e à opinião pública do que foi constatado em visita feita por agentes federais.

"Inicialmente, os relatórios não correspondem à realidade dos fatos. Quero entender o que ocorre", afirma Scliar.

A Chevron alegou que as condições do mar na terça e ontem eram impróprias para a operação de contenção do vazamento. Segundo a companhia, havia ondas de até cinco metros e ventos de 55 quilômetros por hora.

"Dessa forma a dispersão do óleo foi naturalmente feita pela agitação do mar", disse a empresa, em nota. A petrolífera sustenta que usa uma frota de 17 embarcações que se alternam na operação de dispersão, contenção e recuperação do óleo.

"Não adianta abduzir a mancha e colocá-la em Marte ou em outro lugar. Penso que o fato já está consumado e o ecossistema já foi abalado. Então, o problema está criado e os responsáveis têm que responder sobre esse grave acidente", acrescentou.

O delegado também entrará em contato com o Consulado dos Estados Unidos. Ele tem informações de que uma autoridade ambiental dos EUA visitou o local sem que a PF fosse comunicada.

A companhia informou aos agentes que não há prazo para controlar o vazamento. A declaração foi dada pelo engenheiro de perfuração da Chevron, João Neves Filho, em reunião na plataforma. A entrada da PF no caso atende a um pedido da presidente Dilma Rousseff, que pediu rigor na apuração do fatos.


Fonte: Folha de São Paulo
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar