acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Negócios

Petronas desiste da compra de parte de Tubarão Martelo

19/11/2013 | 10h17
Petronas desiste da compra de parte de Tubarão Martelo
TN Petróleo TN Petróleo

 

A OGX informou que recebeu na segunda-feira (18) uma notificação oficial da Petronas sobre a rescisão do contrato de venda de fatia de 40% no campo de Tubarão Martelo - nas concessões dos blocos BM-C-39 e BM-C-40, localizados na Bacia de Campos.
A empresa também afirma, por meio de fato relevante, que "submeteu o assunto à análise de seus advogados e está avaliando a adoção de medidas legais cabíveis”.
O desfecho para esse negócio já era esperado. A estatal da Malásia indicou que aguardaria a reestruturação da petroleira, que passa por um processo de recuperação judicial, para consolidar a operação e realizar o primeiro pagamento.
No fim do mês passado, a OGX afirmou que poderia entrar com um processo arbitral para “resolução da questão” entre as partes. O acordo com a Petronas previa um pagamento imediato de US$ 250 milhões pela petroleira malaia. Um segundo aporte, de US$ 500 milhões, era previsto com a entrada em operação do campo de Tubarão Martelo, estimada para novembro.

A OGX informou que recebeu na segunda-feira (18) uma notificação oficial da Petronas sobre a rescisão do contrato de venda de fatia de 40% no campo de Tubarão Martelo - nas concessões dos blocos BM-C-39 e BM-C-40, localizados na Bacia de Campos.

A empresa também afirma, por meio de fato relevante, que "submeteu o assunto à análise de seus advogados e está avaliando a adoção de medidas legais cabíveis”.

O desfecho para esse negócio já era esperado. A estatal da Malásia indicou que aguardaria a reestruturação da petroleira, que passa por um processo de recuperação judicial, para consolidar a operação e realizar o primeiro pagamento.

No fim do mês passado, a OGX afirmou que poderia entrar com um processo arbitral para “resolução da questão” entre as partes. O acordo com a Petronas previa um pagamento imediato de US$ 250 milhões pela petroleira malaia. Um segundo aporte, de US$ 500 milhões, era previsto com a entrada em operação do campo de Tubarão Martelo, estimada para novembro.



Fonte: Revista TN Petróleo, Redação com Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar