acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

Petrolífera da Queiroz Galvão pode levantar R$ 2,3 bi em IPO

19/01/2011 | 10h11
A Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP), braço do grupo de infraestrutura Queiroz Galvão na área de petróleo e gás, pode levantar mais de R$ 2,3 bilhões em oferta pública inicial de ações (IPO, em inglês) na BM&FBovespa.


A companhia planeja emitir 69.340.017 ações em distribuição primária, cuja faixa de preço por papel estimada pelos coordenadores da oferta é de entre R$ 23 e R$ 29. Se considerado o teto da projeção, a operação pode resultar em cerca de R$ 2 bilhões. A oferta pode incluir também um lote suplementar de 10.401.002 ações, o que elevaria o montante obtido a R$ 2,3 bilhões.


Em prospecto divulgado nesta quarta-feira, a QGEP informa que a operação pode ser acrescida de uma oferta secundária (venda de papéis detidos pelos atuais sócios) caso seja ofertado um lote adicional de ações. Neste caso, seriam emitidos 13.868.003 papéis, que podem resultar em pouco mais de R$ 402 milhões.
 

Entre 10% e 15% do total de ações serão destinadas a investidores de varejo, que podem realizar aporte de até R$ 300 mil. Os investimentos que superarem este valor serão enquadrados na oferta institucional.


O período de reserva das ações vai de 26 de janeiro a 4 de fevereiro. A fixação do preço ocorre em 7 de fevereiro e a estreia dos papéis da QGEP na Bovespa, sob o código QGEP3, está prevista para dois dias depois.


A oferta é coordenada pelos bancos Itaú BBA (líder), Bank of America Merrill Lynch e BTG Pactual.


A QGEP afirma ser a maior companhia de controle privado brasileiro no setor de petróleo e gás, em termos de produção diária em barris equivalentes de petróleo no país, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) em dezembro de 2009.


O grupo possui direitos de concessão sobre oito blocos exploratórios na costa brasileira, incluindo os reservatórios no pré-sal, localizados nas Bacias de Santos e em Jequitinhonha e Camamu, além de 45% de participação na concessão do Campo de Manati, localizado na Bacia de Camamu, na Bahia.


Fonte: Reuters
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar