acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Preços

Petróleo sobe, depois de reunião da Opep e de declarações de autoridades

24/07/2017 | 13h25

O petróleo opera em alta nesta segunda-feira, após o fim da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em São Petersburgo, com a presença também de alguns países de fora do cartel, como a Rússia. O mercado monitora declarações de autoridades presentes, após o encontro para discutir o atual acordo liderado pela Opep para reduzir a oferta da commodity a fim de apoiar os preços.

O petróleo WTI para setembro subia 0,76%, a US$ 46,12 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para setembro avançava 0,94%, a US$ 48,51 o barril, na ICE, às 8h35 (de Brasília).

O petróleo já subia, mas ganhou força após declarações vindas da cidade russa. O ministro de Omã, por exemplo, disse que a Nigéria concordou em entrar no acordo e limitar sua produção em 1,8 milhão de barris por dia, enquanto a Arábia Saudita reafirmou seu apoio à iniciativa e disse que tem reduzido sua oferta no mercado, esperando que os demais países façam o mesmo.

Nigéria e Líbia vinham ficando de fora do acordo para limitar a produção, já que enfrentam problemas com violência e no próprio setor. Analistas questionam se a inclusão de ambos mudaria muito o cenário no mercado, já que os dois países têm produzido abaixo de sua capacidade. Na avaliação do analista de energia Gao Jian, da SCI International, a inclusão ou não das duas nações no acordo não ajudará a reajustar a dinâmica entre a oferta e a demanda no curto prazo. Aparentemente, a Líbia continua de fora da iniciativa.

O ministro da Energia saudita, Khalid al-Falih, disse mais cedo que o nível de cumprimento do acordo para limitar a oferta estava "forte", mas também que havia alguns problemas pontuais que seriam tratados.

O acordo da Opep tem tido seu efeito limitado pelo continuado crescimento na produção dos Estados Unidos, que atingiu o nível mais alto em dois anos.

 



Fonte: Dow Jones Newswires, 24/07/2017
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar