acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Petróleo renova máximas desde 2014, repercutindo Irã e após ataque israelense

10/05/2018 | 09h35

Os futuros de petróleo renovam máximas em três anos e meio na manhã desta quinta-feira, depois de saltarem mais de 3% na sessão anterior, ainda repercutindo a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de retirar Washington do acordo nuclear internacional com o Irã, anunciada na terça-feira (08).

A expectativa é que os EUA restabeleçam sanções econômicas ao Irã gradualmente ao longo dos próximos seis meses, comprometendo a oferta de petróleo de um dois maiores produtores do Oriente Médio.

No passado, sanções ao Irã chegaram a reduzir as exportações de petróleo do país em cerca de 1 milhão de barris por dia.

Para Giovanni Staunovo, analista de commodities da UBS Wealth Management, o impacto da decisão dos EUA nas exportações iranianas poderá ser de 200 mil a 500 mil barris por dia nos próximos seis meses.

Tensões no Oriente Médio também foram intensificadas após Israel anunciar que bombardeou hoje "dezenas" de alvos iranianos na Síria, em resposta a um ataque iraniano com foguetes contra soldados israelenses posicionados nas Colinas de Golã.

Às 7h47 (de Brasília), o barril do Brent para julho subia 0,30% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 77,44, enquanto o do WTI para junho avançava 0,62% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 71,58. Os preços da commodity são os maiores desde novembro de 2014.

 

 



Fonte: Dow Jones Newswires, 10/05/2018
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar