acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia Mundial

Petróleo recua à espera de relatório de emprego dos EUA

01/08/2014 | 12h51

 

Os contratos futuros de petróleo operam em queda na manhã desta sexta-feira (1), diante da expectativa em relação ao relatório de emprego dos Estados Unidos. A tendência de baixa se sobressai a possíveis efeitos positivos de indicadores da atividade industrial da China.
O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial da segunda maior economia do mundo, medido pelo HSBC, subiu para 51,7 em julho, de 50,7 em junho, marcando o maior patamar do indicador em 18 meses. O dado oficial semelhante avançou para 51,7 em julho, de 51,0 em junho, o melhor resultado desde abril de 2012. Os números deram um impulso temporário aos contratos, mas os ganhos foram perdidos ao longo da sessão.
"Apesar de todas as fontes de crise geopolítica, há ampla oferta física no mercado europeu de petróleo no momento, o que está pesando sobre os contratos de futuros do Brent com vencimento mais próximo", disseram analistas do Commerzbank.
Os investidores aguardam hoje o relatório de emprego do EUA, que será publicado às 9h30min (de Brasília). Há expectativa de criação de 230 mil postos de emprego em julho. Em junho, foram registradas 288 mil novas vagas. Às 8h45 (de Brasília), o petróleo brent para setembro perdia 0,30%, a US$ 105,70 por barril. Na Nymex, o petróleo tinha queda de 0,69%, a US$ 97,49 por barril. 

Os contratos futuros de petróleo operam em queda na manhã desta sexta-feira (1), diante da expectativa em relação ao relatório de emprego dos Estados Unidos. A tendência de baixa se sobressai a possíveis efeitos positivos de indicadores da atividade industrial da China.

O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial da segunda maior economia do mundo, medido pelo HSBC, subiu para 51,7 em julho, de 50,7 em junho, marcando o maior patamar do indicador em 18 meses. O dado oficial semelhante avançou para 51,7 em julho, de 51,0 em junho, o melhor resultado desde abril de 2012. Os números deram um impulso temporário aos contratos, mas os ganhos foram perdidos ao longo da sessão.

"Apesar de todas as fontes de crise geopolítica, há ampla oferta física no mercado europeu de petróleo no momento, o que está pesando sobre os contratos de futuros do Brent com vencimento mais próximo", disseram analistas do Commerzbank.

Os investidores aguardam hoje o relatório de emprego do EUA, que será publicado às 9h30min (de Brasília). Há expectativa de criação de 230 mil postos de emprego em julho. Em junho, foram registradas 288 mil novas vagas. Às 8h45 (de Brasília), o petróleo brent para setembro perdia 0,30%, a US$ 105,70 por barril. Na Nymex, o petróleo tinha queda de 0,69%, a US$ 97,49 por barril. 

 



Fonte: Estado de São Paulo
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar