acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Preços

Petróleo opera pressionado por Harvey, mas dólar fraco contrabalança movimento

29/08/2017 | 11h27

Os contratos de petróleo operam sem sinal único na manhã desta terça-feira, com investidores ainda atentos aos impactos da tempestade tropical Harvey na região do Golfo do México. O mercado ponderava sobre o possível impacto da tempestade sobre a oferta e a demanda da commodity. Por outro lado, o dólar mais fraco contrabalançava o movimento e deixava o contrato em Nova York de lado.

Às 8h10 (de Brasília), o petróleo WTI para outubro subia 0,11%, a US$ 46,62 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para novembro recuava 0,39%, a US$ 51,22 o barril, na ICE.

A enchente causada pela tempestade tropical Harvey provocou queda de 2,72% no contrato do WTI na segunda-feira, enquanto o Brent caiu 0,99%. Investidores temem que problemas nas refinarias da região prejudiquem a demanda pelo petróleo.

Estrategista de commodities da RBC Capital, Michael Tran afirmou que o impacto de Harvey é negativo para o petróleo da perspectiva da demanda, já que cerca de 2 milhões de barris por dia de capacidade de refino não tem sido utilizada. Como resultado do temor de falta de gasolina graças aos problemas nas refinarias, os futuros de gasolina para entrega em setembro avançaram na segunda-feira, em seu maior rali diário em dólares em mais de três meses, fechando em alta de 2,7%.

Os detalhes relativos à situação em refinarias devem ditar o rumo dos preços, segundo Tran. A diferença entre o preço do WTI e o Brent atingiu a máxima em dois anos, em US$ 5 o barril.

"Num primeiro momento, alguém poderia concluir que o impacto do furacão Harvey seria um impulso para os preços do petróleo, mas as taxas de operação das refinarias desacelerarão, o que deve resultar em aumento dos estoques no curto prazo", afirmaram analistas do ING Bank em nota nesta terça-feira. "Tudo somado, nós vemos um jogo de forças entre uma produção menor que impulsiona o WTI e taxas menores de utilização da capacidade e de exportações pressionando o WTI", afirmaram analistas.

Por outro lado, o preço do WTI era apoiado pelo dólar mais fraco. A moeda se enfraqueceu após o lançamento de um míssil balístico da Coreia do Norte, que fortaleceu o iene ante a divisa dos EUA. O euro atingiu seu maior nível frente ao dólar desde janeiro de 2015.

Diretor de estratégia de commodities do Saxo Bank, Ole Hansen afirmou que os preços do petróleo recebem de fato um apoio do dólar. "Esta é uma fraqueza do dólar que não temos visto há algum tempo."



Fonte: Dow Jones Newswires, 29/08/2017
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar