acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Preços

Petróleo opera em alta com investidores focados em cortes na produção da Opep

26/01/2017 | 16h10

Os preços futuros do petróleo operam em alta nesta quinta-feira (26) com os investidores focados nos cortes de produção prometidos, apesar de outro salto nos estoques da commodity nos EUA.

Às 9h40min (de Brasília), o petróleo tipo Brent para março subia 0,54% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 55,38 por barril, enquanto o WTI para o mesmo mês avançava 0,38% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 52,95 por barril.

O Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) dos EUA informou ontem que os estoques de petróleo subiram 2,8 milhões de barris na semana encerrada em 20 de janeiro, marcando o terceiro aumento semanal consecutivo. O aumento realçou os desafios que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) enfrenta na redução da oferta e na contenção dos estoques mundiais.

A Opep e seus aliados acordaram no final de 2016 em reduzir os suprimentos globais em cerca de 2% a partir de janeiro. Os primeiros indícios têm mostrado progresso nesse sentido.

"Por agora estamos focados no anúncio dos cortes de produção da Opep, mas precisamos ter em mente que estamos iniciando o período de manutenção nas refinarias, que se traduz em menor demanda por petróleo", disse o analista da Petromatrix, Olivier Jakob.

"Os cortes da Opep já estão na conta, e gostaríamos de ver uma forte evidência nos estoques de petróleo bruto, especialmente nos Estados Unidos e que ainda não é o caso", acrescentou.

Permanece algum ceticismo sobre se os cortes serão todos materializados, dado o recorde desigual da Opep em negócios similares. O cartel publicará os dados de produção de janeiro em 13 de fevereiro.

"O mercado ainda está dominado pelo corte da Opep e parece que eles estão no caminho certo para cortar como o prometido, mas ainda não temos os dados para provar isso", disse Nelson Wang, analista de energia do banco de investimento CLSA.



Fonte: Dow Jones Newswire, 26/01/2017
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar