acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Preço

Petróleo na maior cotação desde outubro de 2008

07/01/2010 | 09h58
A onda de frio que atinge os Estados Unidos e a queda da cotação do dólar fizeram o preço do petróleo no mercado americano subir pelo décimo pregão consecutivo e atingir seu maior nível desde outubro de 2008. Nem a inesperada alta nas reservas da commodity nos EUA na semana passada impediu o avanço no preço. Na Nymex (Bolsa Mercantil de Nova York, na sigla em inglês), o barril de petróleo bruto tipo WTI para entrega em fevereiro fechou a US$ 83,18, com alta de 1,72%. É o maior preço desde 9 de outubro do ano retrasado.


O mercado apontava para uma queda até meados da tarde, quando a cotação do dólar ante outras moedas fortes, como o euro, iniciou sua queda e levou o preço do petróleo para cima. Como o preço da commodity é cotado pela moeda americana, os investidores compram contratos de petróleo para se proteger da desvalorização do dólar, fazendo com que os preços subam.


Ao longo dos últimos dias, a onda de frio vem colaborando com a alta, atingindo principalmente a Costa Leste do país. Com o tempo mais frio, o consumo de combustível para calefação aumenta nos EUA -tanto que foi a responsável pela queda das reservas da commodity durante quase todo mês de dezembro.


Na semana passada, as reservas de combustível para calefação continuou em queda, mas desta vez foi insuficiente para derrubar novamente a reserva de petróleo. Segundo o Departamento de Energia do país, as reservas cresceram em 1,3 milhão de barris, para 327,3 milhões de barris, na semana encerrada em 1º de janeiro.


Apesar de o dado ter decepcionado o mercado, que esperava uma queda de 300 mil barris, ele foi insuficiente para levar o preço para baixo. Segundo os analistas, a continuidade do frio e as indicações de recuperação da economia levam a crer que as reservas voltarão a cair nas próximas semanas, voltando a pressionar o preço.


Fonte: Jornal do Commercio
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar