acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Baixo Estoque

Petróleo fecha em baixa, a US$ 33,87

22/12/2008 | 03h01

Os contratos futuros de petróleo caíram pela sexta sessão consecutiva nos mercados internacionais, na última sexta-feira, com os participantes antecipando que os já elevados estoques vão continuar a crescer em meio à fraca demanda, segundo traders e analistas. Contudo, as perdas foram limitadas pelo vencimento do contrato para entrega em janeiro, com a maior parte do volume ocorrendo no contrato para fevereiro, que fechou em modesta alta.

 

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos de petróleo para janeiro, que venceram no encerramento do pregão viva-voz, caíram US$ 2,35 (6,49%) e fecharam a US$ 33,87 por barril. Incluindo as transações do sistema eletrônico Globex, a mínima foi de US$ 32,40 e a máxima foi de US$ 37,59. Os contratos de petróleo para fevereiro subiram US$ 0,69 (1,66%) e fecharam a US$ 42,36 por barril.Na ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para fevereiro fecharam a US$ 44,00 por barril, alta de US$ 0,64 (1,48%). A mínima foi de US$ 43,03 e a máxima de US$ 45,15.

 

O preço do contrato de petróleo para janeiro oscilou com grande volatilidade ao longo do dia, com os poucos que ainda mantinham posições nesse vencimento lutando para encontrar compradores com objetivo de evitar a entrega dos barris físicos. O ponto de entrega do contrato da Nymex em Cushing (Oklahoma) está 500 mil barris abaixo do nível recorde, indicando que a estocagem é escassa. O elevado custo da estocagem ajudou a empurrar o spread entre os contratos de janeiro e fevereiro para o recorde US$ 9 por barril no ponto máximo.

 

Os estoques em Cushing vão ajudar a determinar se os amplos spreads vão continuar agora após o vencimento do contrato para janeiro. O mercado futuro de petróleo bruto está em uma situação de contango, o que significa que cada contrato é negociado com um desconto em relação ao do mês seguinte, cobrindo o custo de estocagem extra do petróleo.

 

Se o spread fevereiro-março começar a se parecer com o amplo spread de janeiro-fevereiro visto nesta semana, isso será uma indicação de que a demanda permanece fraca e vai colocar pressão adicional de baixa sobre os preços do petróleo, disse Andy Lebow, vice-presidente sênior para energia da MF Global em Nova York. "É difícil sair deste grande contango até que comecemos a ver uma aceleração muito boa na demanda", disse Lebow.

 

Os dados do Departamento de Energia mostram que nas últimas semanas houve uma gradual redução na taxa de declínio na demanda por combustível. Mas com o declínio econômico global ainda se aprofundando, o menor declínio nos EUA não foi suficiente para dar suporte aos preços até agora.



Fonte: Agência Estado
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar