acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Preços

Petróleo fecha em alta, após 10ª queda seguida nos estoques nos EUA

25/01/2018 | 09h22

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta quarta-feira, 24, no maior nível desde dezembro de 2014, com os investidores digerindo o relatório semanal de estoques do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) dos Estados Unidos.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para março fechou em alta de 1,77%, a US$ 65,61 por barril, enquanto o Brent para o mesmo mês, negociado na Intercontinental Exchange (ICE), avançou 0,81%, a US$ 70,53 por barril.

A queda de 1,1 milhão de barris nos estoques de petróleo nos EUA na semana passada - o décimo declínio semanal consecutivo - manteve o rali dos preços da commodity no lugar, com o petróleo no maior nível em mais de três anos. Apesar de ser o décimo recuo seguido, o resultado foi menor do que o previsto por analistas, que esperavam baixa de 1,9 milhão de barris. "Tem sido uma tendência. Até que isso comece a se reverter, acho que os preços permanecerão apoiados", disse o analista Kyle Cooper, do ION Energy Group.

Os preços do petróleo alcançaram os níveis mais altos desde o fim de 2014, impulsionados por uma série de interrupções, riscos globais crescentes e cortes de produção coordenados. O forte crescimento econômico global também influencia no aumento da demanda por petróleo e combustíveis. No entanto, de acordo com o presidente da Lipow Oil Associates, Andy Lipow, "a expectativa é ver os estoques cada vez mais baixos nas próximas semanas".

Os agentes também monitoraram o Fórum Econômico Mundial, em Davos. No evento, o ministro de Energia da Rússia, Alexander Novak, afirmou nesta quarta-feira que não está preocupado com o barril do petróleo a US$ 70 e disse que os produtores estão próximos da meta de encerrar o excesso de óleo. Além disso, Novak comentou que "não devemos ficar preocupados com o xisto", diante de um cenário com petróleo mais caro, o que poderia impulsionar a produção de óleo de xisto.

 

 



Fonte: Dow Jones Newswires, 25/01/2018
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar