acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Preços

Petróleo cai e impulsiona bolsas

08/09/2004 | 00h00

Após um dia sem negócios em virtude do feriado do Dia do Trabalho, as bolsas dos Estados Unidos fecharam em alta ontem, atingindo o maior patamar em dois meses. Uma nova redução nos preços do petróleo dissipou os temores de uma desaceleração do consumo e uma queda nos lucros das empresas.
O índice Standard & Poor`s subiu 0,7%, para 1.121 pontos, maior nível desde 2 de julho. O Nasdaq Composto foi aos 1.858 pontos, com o avanço de 0,8%, a quarta alta do indicador nos últimos cinco dias. Na Bolsa de Nova York, o Dow Jones Industrial também teve ganho de 0,8%, aos 10.341 pontos.
"Os investidores ficarão felizes de ter se precavido para os últimos meses do ano. Mesmo que os preços do petróleo estejam em níveis historicamente altos, acreditamos que a direção se mostra para baixo. Devemos ter um mercado forte daqui até o final do ano", disse Eric Thorne, gestor de recursos da Bryn Mawr Trust, que administra US$ 1,8 bilhão em Bryn Mawr, Pennsylvania.
Os preços do petróleo caíram ontem no mercado internacional após o presidente da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) dizer que o mercado está bem suprido do produto. O contrato para entrega em outubro em Nova York fechou em queda de 1,5%, cotado a US$ 43,31. Em Londres, o óleo tipo Brent recuou 0,3% para US$ 40,76.
Na Europa, a maioria dos principais indicadores fechou com pequena oscilação. O FTSE, da Bolsa de Londres, teve ligeira alta de 0,04%, aos 4.563 pontos, após ter subido 0,29% no pregão anterior. Na Bolsa de Paris, o CAC-40 fechou com valorização de 0,25%, para 3.682 pontos. Na segunda-feira, a alta foi de 0,19%. O índice Dax, da Bolsa de Frankfurt, fechou em alta de 0,04%, aos 3.889 pontos, quase estável em relação ao fechamento anterior.
As bolsas da região atingiram na segunda-feira o maior patamar em dois meses impulsionadas por ações de tecnologia e de setores mais beneficiados pela recuperação econômica. O volume de negócios, no entanto, foi fraco devido ao feriado nos EUA.



Fonte: Valor Econômico/Ag.
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar