acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Preço

Petróleo busca recuperação, na esteira de perdas recentes

05/10/2017 | 13h23

Os futuros de petróleo operam em alta nesta manhã, mantendo a tendência observada de madrugada, após acumularem perdas por três sessões consecutivas e apagarem a valorização da semana passada.

Às 7h42 (de Brasília), o petróleo tipo Brent para dezembro subia 0,73% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 56,21 por barril, enquanto o WTI para novembro avançava 0,26% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 50,11 por barril.

Ontem, o petróleo foi pressionado por dados do Departamento de Energia (DoE) norte-americano que revelaram avanço na produção dos EUA para 9,56 milhões de barris por dia na semana passada - o maior nível desde julho de 2015 - e as exportações diárias em quase 2 milhões de barris. Com isso, investidores acabaram ignorando uma forte queda nos estoques de petróleo bruto da última semana, de mais de 6 milhões de barris.

O levantamento do DoE gerou preocupações sobre a eficácia da estratégia da coalizão liderada pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para reduzir a oferta de petróleo e dar sustentação aos preços da commodity.

"Outro aumento na produção de petróleo para níveis próximos das máximas de 2015 mostra o considerável desafio que os produtores dos EUA impõem à Opep", comentou Edward Bell, analista do Emirates NBD Bank em Dubai.

Há expectativa de que o rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz Al Saud, discuta hoje uma possível extensão do acordo da Opep durante encontro com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Moscou.

Desde janeiro, Opep e dez parceiros de fora do cartel - incluindo a Rússia - vêm buscando reduzir sua produção combinada em 1,8 milhão de barris por dia, como parte de um acordo que se estenderá até março de 2018. Nas últimas semanas, porém, cresceram as apostas de que os cortes poderão ser mantidos até o fim do próximo ano.



Fonte: Dow Jones Newswires, 05/10/2017
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar