acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Preços

Petróleo bate recorde em Nova York

27/09/2004 | 00h00

Os preços futuros do petróleo tipo WTI negociados em Nova York fecharam no nível recorde de US$ 48,88 o barril na sexta-feira, o maior preço de fechamento desde o lançamento dos contratos em 1983. O novo recorde foi estabelecido ligeiramente abaixo do pico do dia, de US$ 48,90. O nível mais alto já alcançado durante os negócios foi de US$ 49,40, em 20 de agosto. No ano, o WTI acumula alta de 50,31%, enquanto nos últimos 12 meses a valorização já chega a 73,09%.
O tipo Brent também subiu e fechou cotado a US$ 4533, com alta de 0,44% . O tipo Brent é usado como referência para a Petrobras e acumula alta, este ano, de 50,25%. Nos últimos 12 meses, o Brent subiu 69,97%.
Um delegado da Arábia Saudita na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) disse na sexta-feira que o país pode elevar "imediatamente, se necessário" sua produção de petróleo para 10,5 milhões de barris por dia. A produção atual da Arábia Saudita está em 9,5 milhões de barris por dia.
O delegado Opep disse que o mercado global de petróleo está bem abastecido, e que os preços devem cair no final do ano. "Nós acreditamos neste momento que o mercado está bem abastecido, equilibrado", disse.
Mas uma pesquisa com corretores e analistas do setor detectou que o preço do petróleo em Nova York pode subir para US$ 50 o barril esta semana, quando as refinarias americanas aumentarão suas compras para aumentar seus estoques, que estão em um patamar próximo da maior baixa dos últimos 29 anos.
Dos 41 especialistas ouvidos, 24, ou 59%, previram um aumento dos preços dos contratos futuros do petróleo. Outros 14 participantes calculam que haverá declínio nos preços desses contratos e 3 disseram que os preços terão pouca alteração. Na semana passada, 27% dos ouvidos na pesquisa - que é realizada semanalmente - previram uma alta dos preços e 47% deles apostaram em uma queda. Mas, ao contrário da maioria das previsões, os preços do petróleo dispararam.



Fonte: Valor Econômico / a
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar