acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Tecnologia

Petrobras vai inaugurar separador submarino de água e óleo

28/09/2011 | 15h47
A Petrobras pretende inaugurar em novembro um sistema submarino de separação de água e óleo que promete aumentar o fator de recuperação dos campos em atividade, informou o diretor de Exploração e Produção da estatal, Guilherme Estrella.

"Esse será um protótipo e estamos apostando muitas fichas nele. Se der certo, vai ser uma ferramenta crítica e decisiva para a melhoria da produtividade e manutenção do campos mais antigos", disse o executivo a jornalistas após participar de evento no Rio.

"Isso nunca foi feito pela Petrobras, e no local como o escolhido e com essas características será a primeira vez no mundo", acrescentou Estrella.

Batizado de SSAO (sigla para Separador Submarino de Água e Óleo), o equipamento será testado pela primeira vez na primeira quinzena de novembro no campo de Marlim, na Bacia de Campos, a cerca de mil metros de profundidade.

"Já preparamos um poço para isso e será a primeira vez que aplicaremos esse protótipo. Ele vai separar água de óleo, e também um pouco de areia que tem em Marlim", disse Estrella. "Ele vai separar areia, água, reinjeta a água em outro poço e só sobe óleo e gás para a plataforma."

O sistema faz parte de um conjunto de inovações que a Petrobras desenvolve para elevar a eficiência nas operações. O presidente da companhia, José Sergio Gabrielli, já havia comentado sobre o separador de água e óleo em outra oportunidade.

"Ao invés de levar 40% de água para a superfície, você separa lá no fundo. Vai reduzir a limitação de processamento de líquidos na superfície. Poderemos reduzir o investimento na superfície", afirmou recentemente.

Estrella explicou que parte da separação de óleo, gás, água e areia, que hoje é feita na plataforma, passará a ser feita embaixo d'água.

"Se você tira a água no fundo do mar, o caminho (do óleo para a superfície) é mais leve. A recuperação do poço é muito maior e vai aumentar a produção."

Segundo ele, se o sistema pioneiro for aprovado, a Petrobras pretende difundi-lo pelos demais campos da empresa.

Estrella disse que campos da Petrobras têm um declínio médio anual de 10% e, em caso de sucesso da nova tecnologia, a vida útil dos poços poderia ser alongada.
 
 
P-35 e meta para 2011

Sobre o vazamento de Co2 essa semana na plataforma P-35, na bacia de Campos, com capacidade de pouco mais de 55 mil barris dia, Estrella declarou que foi um problema "de rotina e operacional" e que a unidade mantém a produção sem mudanças.

Apesar de problemas em algumas unidades produtivas este ano, o executivo afirmou que a Petrobras trabalha para atingir a meta de produção média deste ano de 2,1 milhões de barris ao dia.

A empresa vem operando nos últimos meses com média abaixo de 2 milhões ao dia.

"Estamos brigando no nosso dia-a-dia. O E&P lida com incertezas e temos uma verdadeira briga diária", afirmou. "Nosso objetivo é atingir a meta".


Fonte: Agência Reuters
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar