acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Pesquisa

Petrobras utiliza bactéria da Antártida para produzir borracha sustentável

24/07/2014 | 10h16

 

A partir de uma bactéria encontrada na Antártida e do melaço de cana-de-açúcar, a Petrobras, por meio de seu Centro de Pesquisas (Cenpes), em parceria com a Universidade de Agricultura de Atenas (Grécia) e com o Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), está conseguindo produzir uma importante molécula para a indústria química e petroquímica nacional.
Conhecida como butanodiol, esta molécula é utilizada na produção do butadieno, insumo de elevada demanda na indústria para a produção de borrachas sintéticas. A borracha é gerada a partir de moléculas fósseis e o resultado, se comprovado em nível industrial, permitirá a abertura de uma nova fronteira verde nessa área.
A tecnologia, já testada em laboratório, passa no momento por testes industriais. Caso seja aprovada, a sua utilização em escala irá contribuir para o aumento do volume de produção nacional do butadieno, suprindo o mercado nacional, atualmente abastecido com a importação do produto.
Até o momento, a companhia investiu cerca de R$ 1,5 milhão. Estima-se que até 2016 sejam testadas novas matérias-primas para a obtenção dessa molécula e que até 2017 seja ampliada a escala de testes.

A partir de uma bactéria encontrada na Antártida e do melaço de cana-de-açúcar, a Petrobras, por meio de seu Centro de Pesquisas (Cenpes), em parceria com a Universidade de Agricultura de Atenas (Grécia) e com o Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), está conseguindo produzir uma importante molécula para a indústria química e petroquímica nacional.

Conhecida como butanodiol, esta molécula é utilizada na produção do butadieno, insumo de elevada demanda na indústria para a produção de borrachas sintéticas. A borracha é gerada a partir de moléculas fósseis e o resultado, se comprovado em nível industrial, permitirá a abertura de uma nova fronteira verde nessa área.

A tecnologia, já testada em laboratório, passa no momento por testes industriais. Caso seja aprovada, a sua utilização em escala irá contribuir para o aumento do volume de produção nacional do butadieno, suprindo o mercado nacional, atualmente abastecido com a importação do produto.

Até o momento, a companhia investiu cerca de R$ 1,5 milhão. Estima-se que até 2016 sejam testadas novas matérias-primas para a obtenção dessa molécula e que até 2017 seja ampliada a escala de testes.

 



Fonte: Agência Petrobras
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar