acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Tecnologia

Petrobras testa novas tecnologias em simulado de vazamento no rio Negro

06/12/2010 | 09h13
A Petrobras concluiu na última sexta (3), o simulado de emergência que avaliou o Plano de Contingência Corporativo da Companhia, iniciado em 1º de dezembro, no rio Negro, em Manaus. Foram utilizados pela primeira vez no Brasil um radar e uma câmera infravermelha, recém adquiridos pela companhia, e novas habilidades do robô ambiental híbrido Chico Mendes.
 

O exercício testou também pela primeira vez a utilização de recursos de fora do país, por meio de parceria com a associação internacional Clean Caribbean & Americas. A CCA é fornecedora de equipamentos de resposta a acidentes com vazamento de petróleo para todo o continente americano.
 

O simulado ocorreu em paralelo à realização do Mobex Amazônia 2010, que reuniu mais de 150 participantes, de 27 diferentes países, entre os dias 30\11 e 3\12, em Manaus. Promovido pela CCA, o evento foi realizado pela primeira vez no Brasil. Foram discutidas formas de aprimorar a coordenação e as ações de resposta a grandes emergências ambientais.
 

Tecnologia 
O radar e a câmera infravermelha testados pela Petrobras no simulado podem ser utilizados no combate a vazamentos em rios e no mar e permitem, inclusive, a execução de operações durante a noite. As novas tecnologias servem para validar modelos matemáticos desenvolvidos pelos técnicos da Companhia, que consideram variantes climáticas e condições locais para prever a movimentação do petróleo vazado.
 

"Com o radar, além de detectar as manchas de petróleo, você pode detectar correntes de água. Isso permite identificar com maior precisão onde a mancha poderá atingir e então podemos colocar barreiras preventivamente", explicou o gerente de Articulação e Contingência da Petrobras, Jayme de Seta Filho.
 

O exercício serviu também para testar a utilização de novos recursos do robô ambiental híbrido Chico Mendes, desenvolvido pelo Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes). Criado em janeiro de 2005, o equipamento está em constante evolução. Atualmente, além de coletar e avaliar em tempo real as condições da água e o índice de explosividade, por meio da medição da quantidade de metano, o robô pode lançar e recolher barreiras de contenção em áreas de difícil acesso.
 

Integração
Além dos equipamentos do Centros de Defesa Ambiental da Petrobras em Manaus, Salvador e São Paulo, foram utilizadas barreiras de contenção e recolhedores de óleo da CCA, enviados da sede da associação em Miami, nos Estados Unidos.
 

Para a entrada destes equipamentos com a agilidade necessária ao caso de um acidente real, a Petrobras atuou em parceria com a Polícia Federal e a Receita Federal.
 

A Marinha do Brasil e o Ibama também colaboram na realização do simulado. Segundo o Gerente Setorial de Contingência da Petrobras, Márcio Dertoni, a integração entre a Petrobras e os órgãos governamentais foi fundamental para o sucesso do exercício. "A atuação conjunta é que garante os melhores resultados numa situação de emergência", disse.
 

Exercício
No total, cerca de 100 pessoas, 30 embarcações, 2 mil metros de barreiras de contenção e cinco recolhedores de óleo foram envolvidos no simulado. O exercício simulou o vazamento de 800 mil litros de óleo combustível da embarcação CNA 239, afretada pela Transpetro. No lugar de combustível, foi despejada no rio Negro pipoca de milho, preparada sem adição de óleo. As más condições do tempo na região impediram que os trabalhos fossem estendidos ao rio Amazonas e que fossem utilizadas as 3 toneladas de pipoca previstas.


Fonte: Agência Petrobras
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar