acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
GNL

Petrobras tem plano B para fornecimento

06/08/2008 | 05h16

Preocupada com a possibilidade de falta de energia na virada do ano, a Petrobras preparou um plano B para ofertar gás natural liqüefeito (GNL) na Região Sudeste já em dezembro. A previsão inicial era de que a segunda unidade de regaseificação do GNL, a ser instalada na Baía de Guanabara, só seria oferecida ao mercado nacional a partir de março de 2009, quando o navio Golar Winter será instalado no pier que está sendo construído no local.

 

A área de energia da Petrobras terá um orçamento de R$ 15 bilhões nos próximos cinco anos. Segundo o gerente de Planejamento Integrado de Portfólio da área de Gás e Energia da estatal, Marcelo Murta, o plano alternativo para o GNL é necessário porque o pier já estará concluído em outubro deste ano e não há unidade regaseificadora para testá-lo.

 

A primeira opção da Petrobras seria deslocar para o Rio outro navio regaseificador, o Golar Spirit, que está instalado no Porto de Pecém (CE) e deve começar a operar no próximo dia 22. "Ao que tudo indica haverá demanda constante para esta unidade até o final do ano, o que inviabiliza seu deslocamento", explicou.

 

O executivo disse que a estatal já contratou o navio regaseificador alternativo no mercado internacional, mas não quis revelar o nome da operadora. Em princípio, o contrato prevê apenas os testes que ocorrerão entre outubro e dezembro. Se houver demanda extra de energia, ele poderá oferecer uma carga ao sistema nos primeiros três meses do ano.

 

A capacidade do terminal de regaseificação na Baía de Guanabara é de 14 milhões de metros cúbicos por dia, enquanto emPecém a capacidade é de 7 milhões. Murta afirmou ainda que deste volume a ser disponibilizado no Ceará, pelo menos 5 milhões estão contratados, sendo 3 milhões divididos igualmente entre a TermoFortaleza e a TermoCeará, 1,2 milhão para a antiga Termoaçu (RN) e o restante (800 mil) para atender a contratos com distribuidoras locais no Nordeste.

 

A expectativa é de que no leilão de energia nova com entrega prevista para 2011 (A-3), no próximo dia 19, sejam negociados os outros 2 milhões restantes. O executivo comentou também que a demanda deste leilão e também das térmicas que forem contratadas no leilão do dia 28 (A-5) é que vai definir a necessidade de construção de uma nova unidade de regaseificação no País e qual seria sua localização. "Temos vários projetos em que assinamos contrato de compromisso de fornecimento. Se todos saírem, certamente vamos precisar de uma nova unidade", disse, sem especificar o tamanho do novo terminal.

 

No novo planejamento estratégico da Petrobras estão previstos R$ 15 bilhões para a área de energia. A previsão é de que entre 2012 e 2020 sejam acrescentados 9.322 MW ao volume total de energia gerado pela empresa. Deste montante de investimentos, segundo o gerente geral de Energia, José Alcides Santoro Martins, a estatal vai participar com R$ 3 bilhões. O restante será buscado no mercado de capitais e também entre parceiros.

 

Os números fazem parte do novo planejamento estratégico da Petrobras, que está sendo finalizado e deve ser divulgado em setembro. Já estão incluídos neste total os ativos da BR Distribuidora que foram incorporados pela Petrobras desde o dia 1º de agosto. Com este acréscimo previsto, a nova matriz energética da Petrobras chegará em 2020 com 16.472 MW, sendo 48% de gás, 8% de óleo combustível, 12% de PCH (Pequenas Centrais Hidrelétricas), 24% de carvão e coque, 6% de biomassa e 2% de eólica e biogás.



Fonte: Jornal do Commercio
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar