acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

Petrobras suspendeu exportação de gasolina

15/01/2010 | 09h51

A Petrobras, única produtora de gasolina do país, já suspendeu as exportações do combustível para atender ao aumento da demanda interna. O diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, disse que no último semestre a Petrobras exportou entre 90 mil e 100 mil barris de gasolina por dia. "Já mandei suspender tudo porque quero vender tudo no mercado interno", disse o executivo.

 

A demanda interna cresceu como uma reação do consumidor ao preço do etanol. Ao longo de 2009, o preço do álcool hidratado registrou uma expansão de aproximadamente 50%, enquanto o consumo cresceu 24,4% em relação a 2008.

 

Nesta segunda-feira, o governo decretou a redução de 25% para 20% do estoque de álcool anidro misturado à gasolina. A medida passa a vigorar a partir de fevereiro e vale por 90 dias. Com isso, o governo pretende ampliar a oferta de etanol e assim conter a disparada no preço do biocombustível. A redução do álcool anidro misturado à gasolina deverá aumentar o preço do combustível derivado do petróleo nos postos brasileiros e impactar os índices de inflação no curto prazo, segundo avaliação de economistas da Fundação Getulio Vargas (FGV). Por outro lado, a medida deve cumprir o papel de ampliar a oferta de álcool no mercado, reduzindo o preço do produto no médio prazo.

 

Para o economista André Braz, FGV, a gasolina terá um aumento de 2% já no próximo mês. "Dado que a gasolina pesa 3% no IPC/FGV, este aumento momentâneo deverá ter impacto de 0,06 ponto percentual no IPC do mês. Após o dia 1º de maio, este impacto começará a ser dissipado e seu efeito tende a ser nulo na inflação de 2010", disse Braz em nota à imprensa.

 

O economista também acredita que a redução da mistura servirá para impedir novos aumentos no preço do álcool no futuro, sobretudo por conta do crescimento da demanda, já que cresce a frota de carros flex no país.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar