acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

Petrobras recebe primeiro guindaste offshore com conteúdo local

18/10/2012 | 10h31
Petrobras recebe primeiro guindaste offshore com conteúdo local
Primeiro guindaste offshore com conteúdo local para atuar no pré-sal Primeiro guindaste offshore com conteúdo local para atuar no pré-sal

 

Após 24 anos sem fabricação nacional, a Petrobras recebeu o primeiro guindaste offshore, de um lote total de 20 unidades compradas com exigência de conteúdo local mínimo. Destinados às plataformas do pré-sal, além da P58 e da P62, os guindastes serão entregues ao longo dos próximos cinco anos, com índice de conteúdo local crescente de 20% a 65%.
Como parte da estratégia de desenvolvimento deste mercado, foi realizada em 2010 uma licitação internacional com empresas estrangeiras dispostas a produzir os guindastes em solo nacional. A vencedora foi a italiana M.E.P. (Pellegrini Marine Equipment).
Destino
Até o fim de 2012, a Petrobras receberá da M.E.P. quatro guindastes. Os dois primeiros serão instalados na plataforma P-58, que está com a integração em curso no Estaleiro de Rio Grande (RS). Prevista para entrar em produção em 2014, a plataforma irá operar no campo Norte do Parque das Baleias, na Bacia de Campos.
O terceiro e quarto guindastes vão para a plataforma P-62, cuja integração está ocorrendo no porto de Suape, em Ipojuca/PE. A P-62 irá operar no campo de Roncador, também na Bacia de Campos.
O contrato da Petrobras com a M.E.P. estabeleceu em 20% o conteúdo local dos dois guindastes destinados à P-58, mas a empresa superou, alcançando 25,11% já no primeiro deles. Nos outros dois equipamentos, para a P-62, a participação nacional chegará a 35%. Os 16 restantes, que irão operar nas plataformas do pré-sal, serão fabricados ao longo dos próximos cinco anos, incorporando conteúdo local gradativamente até alcançar 65%.
Histórico
Há seis anos, a Petrobras identificou a necessidade de realizar um programa de nacionalização de 150 guindastes offshore para plataformas fixas, flutuantes e semissubmersíveis. Foi um dos casos de famílias de equipamentos e materiais identificados pela companhia que não eram atendidos pelo mercado nacional (este equipamento, em especial, não possui fornecedor nacional e tem poucos ao redor do mundo). A partir daí, foi estabelecida a meta de fomentar a fabricação no país, mantendo os aspectos de competitividade de preços e sustentabilidade tecnológica.
 
Características dos guindastes 
Altura: 48 metros (comprimento da lança), o equivalente a um prédio de cerca de 20 andares.
Peso: 111,5 toneladas.
Capacidade de içamento do guincho principal: 25 toneladas a 25 metros de altura. 
Preço / unidade: EUR 2,2 milhões.

Após 24 anos sem fabricação nacional, a Petrobras recebeu o primeiro guindaste offshore, de um lote total de 20 unidades compradas com exigência de conteúdo local mínimo. Destinados às plataformas do pré-sal, além da P58 e da P62, os guindastes serão entregues ao longo dos próximos cinco anos, com índice de conteúdo local crescente de 20% a 65%.


Como parte da estratégia de desenvolvimento deste mercado, foi realizada em 2010 uma licitação internacional com empresas estrangeiras dispostas a produzir os guindastes em solo nacional. A vencedora foi a italiana M.E.P. (Pellegrini Marine Equipment).



Destino


Até o fim de 2012, a Petrobras receberá da M.E.P. quatro guindastes. Os dois primeiros serão instalados na plataforma P-58, que está com a integração em curso no Estaleiro de Rio Grande (RS). Prevista para entrar em produção em 2014, a plataforma irá operar no campo Norte do Parque das Baleias, na Bacia de Campos.


O terceiro e quarto guindastes vão para a plataforma P-62, cuja integração está ocorrendo no porto de Suape, em Ipojuca/PE. A P-62 irá operar no campo de Roncador, também na Bacia de Campos.


O contrato da Petrobras com a M.E.P. estabeleceu em 20% o conteúdo local dos dois guindastes destinados à P-58, mas a empresa superou, alcançando 25,11% já no primeiro deles. Nos outros dois equipamentos, para a P-62, a participação nacional chegará a 35%. Os 16 restantes, que irão operar nas plataformas do pré-sal, serão fabricados ao longo dos próximos cinco anos, incorporando conteúdo local gradativamente até alcançar 65%.



Histórico


Há seis anos, a Petrobras identificou a necessidade de realizar um programa de nacionalização de 150 guindastes offshore para plataformas fixas, flutuantes e semissubmersíveis. Foi um dos casos de famílias de equipamentos e materiais identificados pela companhia que não eram atendidos pelo mercado nacional (este equipamento, em especial, não possui fornecedor nacional e tem poucos ao redor do mundo). A partir daí, foi estabelecida a meta de fomentar a fabricação no país, mantendo os aspectos de competitividade de preços e sustentabilidade tecnológica.


Características dos guindastes


Altura: 48 metros (comprimento da lança), o equivalente a um prédio de cerca de 20 andares.

Peso: 111,5 toneladas.

Capacidade de içamento do guincho principal: 25 toneladas a 25 metros de altura.

Preço / unidade: EUR 2,2 milhões.



Fonte: Agência Petrobras
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar