acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
GNL

Petrobras negocia compra de gás com 20 empresas

02/07/2007 | 00h00

A Petrobras está negociando com 20 empresas de todo o mundo contratos para a compra de Gás Natural Liquefeito (GNL), informou uma fonte da estatal. Com as incertezas em torno da construção de novos projetos hidrelétricos e, também, do gás boliviano, o GNL que será usado em usinas térmicas pode vir a ser insumo estratégico no abastecimento de energia do País nos próximos anos, pelo menos até a entrada do gás que será produzido na Bacia de Santos.

Tanto é que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) lista, entre suas prioridades, a implantação de duas unidades regaseificadoras de GNL - uma a ser instalada no Rio de Janeiro e outra, no Ceará. A Petrobras já contratou essas duas unidades, que entrarão em operação até o início de 2009. Recentemente, o presidente da empresa, José Sérgio Gabrielli, anunciou que a estatal estuda a possibilidade de contratar ainda um terceiro navio.

Com isso, a capacidade de processamento de GNL da empresa poderia chegar a 34 milhões de metros cúbicos diários de gás, volume bem superior aos cerca de 26 milhões de metros cúbicos do combustível que são bombeados diariamente da Bolívia.

A fonte da Petrobras negou que o mercado internacional de GNL esteja escasso. A avaliação do funcionário da empresa é de que muitas empresas anunciam, de antemão, que não têm gás disponível apenas como instrumento de barganha. "No Qatar, por exemplo, nos disseram que estavam sem gás, mas, em seguida, ponderaram que poderiam fazer alguma coisa para nos vender o gás."

A Petrobras já fechou acordo do tipo Master Agreement (uma espécie de acordo de intenções) com a Nigerian LNG. Esse documento estabelece as condições para que as duas empresas negociem quando houver demanda por GNL por parte da Petrobras. A estatal também assinou um documento semelhante com a argelina Sonatrach.

A estratégia da estatal nas negociações, disse a fonte, não é de fechar contratos firmes de compra de GNL. Isso porque, como o combustível será queimado, principalmente em usinas térmicas, que só serão acionadas quando os reservatórios das hidrelétricas estiverem baixos, a empresa correria o risco de pagar por um gás que ficaria parte do tempo sem ser usado. "Estamos buscando acordos adequados para atender nosso mercado. Temos certeza que vamos cumprir os compromissos que firmamos (de fornecimento de gás) ou que venhamos a assumir."



Fonte: Jornal do Commercio
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar