acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Venezuela

Petrobras não terá mais que 10% em Carabobo

21/12/2007 | 00h00
A participação da Petrobras no campo de Carabobo, na Venezuela, será de, no máximo, 10% do empreendimento. A participação poderá inclusive ser zero, caso a empresa não considere o acordo satisfatório para viabilizar economicamente a parceria entre a empresa brasileira e a estatal venezuelana PDVSA, afirmou o diretor da Área Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró.

Inicialmente, a intenção da Petrobras era participar com 40% na estrutura da empresa a ser criada para explorar o petróleo de Carabobo, com 60% de participação da PDVSA. A proporção seria inversa ao percentual da PDVSA na refinaria Abreu Lima, em Pernambuco.

Na parceria entre as duas companhias, acertada na semana passada, a Petrobras ficou com 60% de participação na refinaria e a PDVSA com 40%. O contrato prevê que a unidade, hoje em fase de construção, processará cerca de 200 mil barris de óleo pesado por dia – 100 mil do campo de Carabobo e outros 100 mil de Marlim Sul, na Bacia de Campos.

Em conversa com jornalistas na noite de ontem (19), durante jantar em que a diretoria da Petrobras apresentou balanço das atividades em 2007 e projeções para 2008, Cerveró descartou que a redução da participação da estatal brasileira no campo venezuelano tenha a ver com questões políticas.

“A questão é puramente financeira: o óleo do campo de Carabobo é um óleo extremamente pesado. Daí que o óleo do campo venezuelano tem que ser pré-refinado antes de sua colocação no mercado. Isso torna o investimento muito caro”, explicou Cerveró.


Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar