acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Mercado

Petrobras não pretende aumentar os preços

17/08/2005 | 00h00

A Petrobras não pretende aumentar os preços dos derivados, ainda que representantes do Ministério de Minas e Energia (MME) tenham admitido a possibilidade, em função da forte alta dos preços do barril do petróleo no mercado internacional. Nas últimas sessões das bolsas internacional, o barril superou os US$ 66 ainda que tenha desenhado uma trajetória de queda recentemente.
A diretoria da Petrobras, no entanto, mantém o argumento de que a estatal utiliza parâmetros de médio prazo para evitar repassar ao mercado a volatilidade especulativa do mercado internacional. Nesta terça-feira (16/08), durante a coletiva de imprensa referente aos resultados do semestre, foi apresentado um estudo no qual os preços do barril de petróleo da petrobras estão em linha com os do mercado internacional desde dezembro de 2003. O petróleo Petrobras alcançou a cotação média de US$ 43,04 o barril, no segundo trimestre de 2005 (até 30 de junho), quando o Brent esteve cotado em US$ 51,63 o barril e a cesta Opep em US$ 49,27 o barril.  
A partir desses valores, a cesta de produtos da Petrobras também tem seguido o padrão dos preços internacionais do petróleo, mantendo-se com preços médios de realização (PMR) entre os preços do Brent e do WTI. No segundo semestre de 2005, a cotação média do WTI foi de US$ 61,48 o barril e a Brent foi de US$ 51,59 o barril. A cesta de produtos da Petrobras teve PMR de US$ 55,27. Esta cesta envolve mais de 100 produtos, entre eles os combustíveis básicos - diesel, gasolina e GLP -, os especiais, como nafta e Qav e uma série de outros. 
Os combustíveis básicos não sofreram aumentos, no entanto nafta, Qav e vários derivados foram aumentados no período, No entanto, o gerente de logística do abastecimento, Alípio Ferreira Pinto Júnior, garante que a Petrobras não tem aumentado alguns derivados para compensar o controle de outros. Segundo o executivio, há uma diferença de política de reajuste: os combustíveis básicos obedecem ao parâmetro de médio prazo e os especiais acompanham o mercado internacional.



Fonte:
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar