acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petróleo e Gás

Petrobras mantém meta de 2,026 milhões de barris por dia

29/10/2012 | 13h34

 

O diretor financeiro e de relações com investidores da Petrobras, Almir Barbassa, afirmou nesta segunda-feira (29) que a meta de produção de 2,026 milhões de barris de petróleo por dia em 2012 está mantida, apesar da redução da produção apresentada no terceiro trimestre. A queda, segundo Barbassa, foi provocada por paradas programadas e declínio natural da produção de alguns campos.
"As paradas programadas tiveram maior número no terceiro trimestre do que no segundo", disse Barbassa, que apresenta os resultados financeiros do terceiro trimestre da Petrobras. Segundo o diretor, já há previsão de crescimento da produção para outubro.
A Petrobras informou que produziu 1,843 milhão de barris de petróleo por dia em setembro. Ante agosto, a queda na produção foi de 4,4%.
"As paradas programadas da P-52 no campo de Roncador e P-19 no campo de Marlim, iniciadas em agosto, foram os principais motivos dessa queda", justificou a Petrobras, em nota.

O diretor financeiro e de relações com investidores da Petrobras, Almir Barbassa, afirmou nesta segunda-feira (29) que a meta de produção de 2,026 milhões de barris de petróleo por dia em 2012 está mantida, apesar da redução da produção apresentada no terceiro trimestre. A queda, segundo Barbassa, foi provocada por paradas programadas e declínio natural da produção de alguns campos.


"As paradas programadas tiveram maior número no terceiro trimestre do que no segundo", disse Barbassa, que apresenta os resultados financeiros do terceiro trimestre da Petrobras. Segundo o diretor, já há previsão de crescimento da produção para outubro.


A Petrobras informou que produziu 1,843 milhão de barris de petróleo por dia em setembro. Ante agosto, a queda na produção foi de 4,4%.


"As paradas programadas da P-52 no campo de Roncador e P-19 no campo de Marlim, iniciadas em agosto, foram os principais motivos dessa queda", justificou a Petrobras, em nota.

 



Fonte: G1
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar