acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

Petrobras já perdeu quase o mesmo valor da capitalização

10/08/2011 | 09h51
A crise mundial derrubou o valor de mercado da Petrobras, que se aproxima do nível anterior à apresentação das ações do pré-sal na capitalização recorde de R$ 120 bilhões do segundo semestre do ano passado. O valor de mercado da estatal atingiu, anteontem, R$ 258,9 bilhões.

Em 23 de setembro do ano passado, véspera da capitalização, o valor era de R$ 252,6 bilhões. O maior valor de mercado da Petrobras desde o anúncio da descoberta da camada petrolífera do pré-sal foi de R$ 413,3 bilhões, em 8 de março. Em cinco exatos meses desde o seu maior valor, a perda atingiu R$ 154,4 bilhões.

Em breve comunicado, a companhia sustentou que a queda no valor de mercado é interpretada como reflexo da crise global e que não estuda planos de recompra das ações.

Para o economista Edmar de Almeida, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a crise abre perspetiva de queda no preço do petróleo, "o que desvaloriza qualquer empresa do setor". "No caso da Petrobras, a situação é mais grave porque ela está mais alavancada do que o resto do mercado, tem muitos investimentos. É a empresa de petróleo que mais investe no mundo. Uma situação de grande investimento em período de incerteza coloca a empresa em posição de fragilidade."

Divulgado em julho, o plano de negócios da Petrobras para o período 2011-2015 estipula US$ 224,7 bilhões em investimentos.

Almeida observa que, no Brasil, o investidor estrangeiro está exposto a um evidente risco cambial. "Como o real está muito valorizado, isso implica a perspectiva de desvalorização do real em algum momento. O preço da ação leva em consideração o risco do investimento." Segundo ele, a queda no valor do mercado "não tem nada a ver com o real desempenho" da Petrobras.

O professor avalia que os indicadores financeiros de produtividade da Petrobras "estão muito bons", apesar de riscos de depreciação provocada pela crise.

De acordo com estudo divulgado pela consultoria Economática, o patrimônio líquido da companhia era de R$ 306,7 bilhões no último dia de 2010. Na data, o valor de mercado da petroleira era R$ 380,2 bilhões. Ou seja: o valor de mercado era 24% maior que o patrimônio liquido.

A correlação mudou com a crise global. Segundo a consultoria, embora a Petrobras ainda não tenha publicado o balanço de junho de 2011, é possível calcular uma queda expressiva do valor da empresa em bolsa, em relação ao patrimônio líquido.

O cálculo vincula o patrimônio liquido de março deste ano, de R$ 314,7 bilhões, com o valor de mercado em 8 de agosto, de R$ 258,9 bilhões. Se antes valia mais em comparação com o patrimônio líquido, agora o quadro é bem diferente. Ela vale na bolsa 82,3% do patrimônio liquido.

A companhia realizou em 2010 a maior operação de aumento de capital da história, ao levantar R$ 120 bilhões (US$ 69,9 bilhões à época) pela emissão de cerca de 4 bilhões de ações nas Bolsas de São Paulo e Nova York. A oferta levou-a do quarto para o segundo lugar entre as empresas de energia com ações em bolsa, atrás da Exxon Mobil.


Fonte: Agência Estado
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar