acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Parceria

Petrobras e Vale se unem para avaliar projetos de gás em Moçambique

10/01/2006 | 00h00

A Petrobras e a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) assinaram nesta terça-feira (10/01) um protocolo de entendimentos para identificar e avaliar oportunidades de exploração e produção de gás natural em Moçambique.

O acordo é fundamentado na complementaridade entre os negócios das duas companhias. A Petrobras busca novas fronteiras exploratórias de gás natural, enquanto a CVRD busca disponibilidade de energia para a instalação de plantas de processamento de minério e pólos de atividade siderúrgica na região.

O presidente da Vale, Roger Agnelli, informou, ainda, que a companhia também está aberta a vários modelos de parceria com a Petrobras, inclusive participando no transporte ou na produção de gás. Agnelli ressalta, entretanto, que o objetivo da Vale é ter acesso ao gás para viabilizar os projetos da companhia. "A disponibilidade energética é um aspecto crítico no mundo", comenta.

Para a Petrobras, além do benefício de entrar em um negócio de exploração juntamente com o consumidor das possíveis descobertas, o empreendimento é uma oportunidade de expansão da companhia na região do Leste Africano, onde a empresa já possui uma participação na Tanzânia.

"Temos a possibilidade de ampliar nossa participação em uma área reconhecida como potencial produtora de gás", argumenta o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli.

Segundo Gabrielli, a Petrobras já fez estudos em Moçambique há 15 anos, mas os resultados não se mostraram economicamente viáveis na época. O gerente executivo da área internacional, João Figueira, acrescenta que depois destes estudos, Moçambique já viabilizou alguma exploração e produção de gás e encontrou mercado para o gás natural na África do Sul. O representante da embaixada de Moçambique no Brasil, Agostinho Timana, acrescentou que o país africano tem uma quantidade significativa de gás natural, o que permitiu o investimento em um gasoduto de 900 km até a África do Sul e que permanece a dúvida sobre se o país teria ou não petróleo.

Embora haja perspectivas de o gás natural ser encontrado em Moçambique tanto em terra, quanto águas rasas e profundas, o gerente da Petrobras, informo que ainda será feita a interpretação dos dados sísmicos fornecidos pelo governo moçambicano a partir do qual a Petrobras vai informar as áreas pelas quais tem interesse.

A partir desta manifestação de interesse, o governo de Moçambique decidirá se abre concorrência internacional ou convida a Petrobras para uma negociação direta para aquisição de direito exploratório sobre os blocos considerados atrativos.



Fonte:
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar