acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Combustíveis

Petrobras contesta críticos e nega defasagem de preços

29/11/2004 | 00h00

O diretor financeiro e de relações com investidores da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, negou, na sexta-feira (26/11), que os preços da empresa estejam com defasagem em relação ao mercado internacional. Mais uma vez, Gabrielli enumerou os elementos considerados na formação de preços da estatal: tendência de preços, seu grau de impacto na economia brasileira e um conjunto de variáveis que envolve análise do preço do petróleo, dos derivados, comportamento dos competidores, dinâmica de taxa de câmbio e ritmo da produção interna, entre outros.
"É preciso levar em conta os fenômenos sócio-políticos que afetam o comportamento da economia", disse. "Não é só olhar o que está acontecendo na bomba de gasolina no Golfo do México, para decidir preços", continuou.
O executivo considerou "uma irresponsabilidade" cálculo da IdeaKraft, publicado no Valor de sexta-feira, que indica que ela pode ter deixado de ganhar R$ 4 bilhões no ano ao manter seus preços defasados em 2004. Já o consultor Maurício Martínez, da IdeaKraft, respondeu com um desafio: "Peço que o professor Gabrielli aponte qual a falha nos cálculos".



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar