acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Nova marca histórica

Petrobras alcança lucro recorde de R$ 25,9 bilhões em 2006

13/02/2007 | 00h00

A Petrobras divulgou nesta terça-feira (13), os ganhos financeiros e operacionais do quarto trimestre e do exercício da companhia de 2006. No ano passado, a estatal brasileira obteve lucro líquido de R$ 25,9 bilhões, superando o recorde alcançado em 2005.

“Uma conseqüência, principalmente, ao aumento da produção de petróleo e derivados, bem como ao nível de preços nos mercados interno e externo”, explicou, em entrevista coletiva, o diretor financeiro e de relações com investidores, Almir Barbassa.

A estatal apresentou também o maior crescimento anual de lucro (em dólares) dentre as majors do setor: 22,3% de crescimento, contra 21,6% da Chevron, 14,9% da ConocoPhillips, 9,3% da Exxon e 0,5% da Shell, segundo a fonte Evaluate Energy.

Mesmo assim, teve seus resultados do quarto trimestre prejudicados pela queda do preço do Brent e por uma onerosidade do estoque do terceiro trimestre.

“No quarto trimestre a empresa utilizou o estoque de petróleo para produção de derivados do terceiro trimestre, quando o preço da commodity era maior, e vendeu a preço menor (os derivados), já que o barril de petróleo caiu nos últimos três meses do ano”, explicou Barbassa.

A produção de petróleo aumentou 6% em 2006, no entanto, não representando a plena capacidade de operação da P-50 (que entrou em operação em abril), da FPSO-Capixaba (maio) e da P-34 (dezembro). Segundo Barbassa, estes foram alguns dos motivos pelos quais a estatal não conseguiu o tão esperado superávit de US$ 3 bilhões na balança comercial da empresa.

“Com estas plataformas, operando em plena capacidade, as perspectivas de aumento da produção para 2007 são ainda maiores”, projetou.

A estratégia de internacionalização da Petrobras levou a um aumento de 127% dos investimentos na área Internacional, dentre os quais se destaca a aquisição da refinaria de Pasadena, Estados Unidos, e a presença em novos mercados como Paraguai, Uruguai e Colômbia.

No entanto, o desempenho do ano passado foi afetado pela redução de lucro nas atividades na Venezuela e na Bolívia, além de gastos de 570 milhões de reais com sísmica e poços secos e a valorização do real.

“Na Venezuela, uma mudança contratual reduziu para 40 por cento a participação da Petrobras na produção. Com isso, o lucro caiu para 94 milhões de reais, contra os 164 milhões de 2005”, disse Barbassa.

Na Bolívia, com o aumento de impostos de 50 para 82 por cento - acréscimo de 210 milhões de reais anuais, o lucro caiu dos 250 milhões de reais para 57 milhões de reais, de um ano para outro.

O volume de vendas no mercado interno foi superior em 3% ao apurado em 2005, por conta dos maiores volumes vendidos de gasolina, nafta e gás natural. No mercado externo, as exportações cresceram 11% e as vendas internacionais 31%, devido, principalmente, ao incremento das operações offshore (cujo objetivo é capturar oportunidades comerciais no exterior) e à inclusão das vendas de empresas adquiridas em 2006.

Este crescimento só não foi ainda maior devido à redução das vendas na Venezuela, ao declínio da produção em Angola e ao fechamento dos principais campos no Golfo do México, após a passagem dos furacões Rita e Katrina.

A geração de caixa (EBITDA) de R$ 52,1 bilhões assegurou recursos para investimentos, melhor perfil financeiro e pagamento de dividendos. “Números fundamentais para a garantia de crescimento da companhia em 2007”, comentou o executivo.



Fonte: Da Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar