acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petróleo e Gás

Petrobras adia perfuração no mar da Bacia de Pelotas

06/11/2012 | 17h59

 

A Petrobras pretendia ainda neste ano perfurar um poço exploratório (último passo para descobrir se há ou não petróleo em um determinado local) na Bacia de Pelotas. No entanto, a estatal revisou o seu cronograma e agora prevê que essa ação ocorra no primeiro semestre de 2013. Conforme a assessoria de imprensa da companhia, no momento, a iniciativa está em processo de licenciamento ambiental no Ibama para emissão da licença de operação. A companhia solicitou à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a extensão no prazo de concessão e aguarda um posicionamento.
A Bacia de Pelotas tem 210 mil quilômetros quadrados e se estende do Sul de Santa Catarina até a fronteira com o Uruguai, abrangendo toda a costa do Rio Grande do Sul. O direito de exploração foi conquistado pela estatal na Licitação nº 6 da ANP, realizada em 2004, quando a companhia adquiriu um bloco exploratório, dividido em seis células, de cerca de 3,9 mil quilômetros quadrados de área.
A empresa já investiu em torno de R$ 20 milhões em levantamentos sísmicos, e o custo estimado na futura perfuração do poço é de até US$ 100 milhões. O poço será realizado no sul do estado, a cerca de 200 quilômetros da costa. No ano passado, durante visita ao governador Tarso Genro, no Palácio Piratini, o diretor de Exploração e Produção da Petrobras, Guilherme Estrella, admitia os riscos exploratórios, porém destacava que os geólogos identificaram condições que apontam que pode ser encontrado ali um campo de petróleo.
O professor do Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs) João Marcelo Medina Ketzer argumenta que o adiamento da perfuração de um poço exploratório não é algo incomum dentro das atividades das empresas do setor do petróleo, e não demonstra um descaso da Petrobras com a Bacia de Pelotas. Ele argumenta que todas as bacias brasileiras têm potencial para verificar a presença de petróleo. Um fato que pode explicar por que ainda não foi encontrada a substância na Bacia de Pelotas, segundo o professor, é que não foram feitos muitos poços exploratórios na região até o momento.
De acordo com a Petrobras, as pesquisas de hidrocarbonetos na Bacia de Pelotas foram iniciadas na década de 1950, sendo que os primeiros estudos sísmicos marítimos ocorreram somente a partir da década de 1970. Entre 1974 a 1995, foram adquiridos 18 mil quilômetros de sísmica marítima 2D e perfurados cinco poços exploratórios. Nos anos 1990 foram adquiridos 19,36 mil quilômetros de sísmica marítima 2D. Nos anos de 1995 e 1996, foram perfurados três poços exploratórios. Essa primeira fase das pesquisas exploratórias não resultou em descobertas de petróleo na bacia.
Em 1999, a Petrobras assinou seu primeiro contrato de concessão com a ANP na Bacia de Pelotas, denominado Bloco BM-P-1, em parceria com a empresa Exxon. Em 2000, houve a aquisição de 7,5 mil quilômetros de sísmica marítima 2D e a perfuração de um poço (1-RSS-4). Esse poço também não resultou em descoberta de petróleo. Em 2004, a estatal assinou o contrato de concessão com a ANP quanto ao Bloco BM-P-2. Em 2011, decidiu passar para o segundo período de operação desse contrato de concessão, com o compromisso de perfurar um poço exploratório.

A Petrobras pretendia ainda neste ano perfurar um poço exploratório (último passo para descobrir se há ou não petróleo em um determinado local) na Bacia de Pelotas. No entanto, a estatal revisou o seu cronograma e agora prevê que essa ação ocorra no primeiro semestre de 2013. Conforme a assessoria de imprensa da companhia, no momento, a iniciativa está em processo de licenciamento ambiental no Ibama para emissão da licença de operação. A companhia solicitou à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a extensão no prazo de concessão e aguarda um posicionamento.


A Bacia de Pelotas tem 210 mil quilômetros quadrados e se estende do Sul de Santa Catarina até a fronteira com o Uruguai, abrangendo toda a costa do Rio Grande do Sul. O direito de exploração foi conquistado pela estatal na Licitação nº 6 da ANP, realizada em 2004, quando a companhia adquiriu um bloco exploratório, dividido em seis células, de cerca de 3,9 mil quilômetros quadrados de área.


A empresa já investiu em torno de R$ 20 milhões em levantamentos sísmicos, e o custo estimado na futura perfuração do poço é de até US$ 100 milhões. O poço será realizado no sul do estado, a cerca de 200 quilômetros da costa. No ano passado, durante visita ao governador Tarso Genro, no Palácio Piratini, o diretor de Exploração e Produção da Petrobras, Guilherme Estrella, admitia os riscos exploratórios, porém destacava que os geólogos identificaram condições que apontam que pode ser encontrado ali um campo de petróleo.


O professor do Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs) João Marcelo Medina Ketzer argumenta que o adiamento da perfuração de um poço exploratório não é algo incomum dentro das atividades das empresas do setor do petróleo, e não demonstra um descaso da Petrobras com a Bacia de Pelotas. Ele argumenta que todas as bacias brasileiras têm potencial para verificar a presença de petróleo. Um fato que pode explicar por que ainda não foi encontrada a substância na Bacia de Pelotas, segundo o professor, é que não foram feitos muitos poços exploratórios na região até o momento.


De acordo com a Petrobras, as pesquisas de hidrocarbonetos na Bacia de Pelotas foram iniciadas na década de 1950, sendo que os primeiros estudos sísmicos marítimos ocorreram somente a partir da década de 1970. Entre 1974 a 1995, foram adquiridos 18 mil quilômetros de sísmica marítima 2D e perfurados cinco poços exploratórios. Nos anos 1990 foram adquiridos 19,36 mil quilômetros de sísmica marítima 2D. Nos anos de 1995 e 1996, foram perfurados três poços exploratórios. Essa primeira fase das pesquisas exploratórias não resultou em descobertas de petróleo na bacia.


Em 1999, a Petrobras assinou seu primeiro contrato de concessão com a ANP na Bacia de Pelotas, denominado Bloco BM-P-1, em parceria com a empresa Exxon. Em 2000, houve a aquisição de 7,5 mil quilômetros de sísmica marítima 2D e a perfuração de um poço (1-RSS-4). Esse poço também não resultou em descoberta de petróleo. Em 2004, a estatal assinou o contrato de concessão com a ANP quanto ao Bloco BM-P-2. Em 2011, decidiu passar para o segundo período de operação desse contrato de concessão, com o compromisso de perfurar um poço exploratório.

 



Fonte: Jornal do Commercio
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar