acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Negócios

Petrobras adia extração de óleo de plataforma que pegou fogo em Cingapura

21/09/2012 | 13h23

O diretor de Exploração e Produção da Petrobras, José Formigli, informou que a primeira extração de óleo da plataforma Cidade de Itajaí, que pegou fogo em um estaleiro em Cingapura no final de agosto, foi adiada de outubro para dezembro.



Apesar disso, o executivo manteve os planos da empresa de fechar este ano com produção igual a do ano passado, de 2,1 milhões de barris de petróleo, volume que também será repetido em 2013. Apenas em 2014 a produção da empresa voltará a subir, disse o diretor.



Segundo ele, até o final do ano a produção da região do pré-sal brasileiro chegará a 250 mil barris por dia, contra os 172 mil barris produzidos atualmente. Se atingida a meta, a produção ultrapassará os 10% do total da produção da empresa no Brasil.



"Se a gente continuar entrando com os poços, como a gente pretende em Cidade Anchieta, então ela vai subindo a produção e deve ficar próximo a 250 mil (barris por dia)", disse após conferência na Rio, Oil & Gas, feira do setor de petróleo que está sendo realizada no Rio de Janeiro.



Cidade Anchieta está localizada no campo de Baleia Azul, no complexo Parque das Baleias, na porção capixaba da bacia de Campos.



Formigli disse ainda que a Ocean Rig, empresa de construção de sondas e plataformas do empresário German Efromovich, tem até hoje para apresentar uma proposta consistente sobre a construção de cinco sondas para a SeteBrasil, empresa com 10% de participação da Petrobras que coordena a construção de 33 sondas para a Petrobras.



Na quarta-feira (19), o diretor de Engenharia, Tecnologia e Materiais da estatal, José Figueiredo, disse que a OSX, empresa naval do empresário Eike Batista, e a Ocean Rig apresentariam à Petrobras nesta quinta-feira proposta de construção de cinco sondas de exploração de petróleo.



"Se a proposta não for convincente o acordo será anulado e haverá nova licitação", disse a jornalistas.



Fonte: Folha
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar